Brasil

Você está aqui: Página Inicial / Brasil / zé. Um homem nefasto

zé. Um homem nefasto

Moro jamais quis combater a corrupção. E a Dilma e o zé deixaram ele solto!
publicado 07/03/2016
bessinha.jpg

O ansioso blogueiro esteve na manhã dessa segunda-feira 7/3 no Sindicato dos Químicos do ABC, em Santo André, para fazer uma palestra e lançar o “O Quatro Poder”.

Para uma segunda-feira de manhã, nada mau, convenhamos: uma plateia de 300 pessoas, com 128 livros vendido.

(Quanto mais o PiG ignora “O Quarto Poder”, mais o ansioso blogueiro vende… O livro é a prova de que o PiG é uma mídia que se tornou irrelevante.)

Na palestra, o ansioso blogueiro insistiu na necessidade de os movimentos sindicais abrirem a janela para fazer um movimento de 180 graus.

Transcender suas reivindicações de classe, subir na montanha e contemplar a Democracia.

No momento, a tarefa central da Democracia brasileira é manter o Lula livre !

E não basta o Lula ter virado uma jararaca cheia de fúria.

O Lula tem que ter atrás dele milhões de jararacas para dar sustentação política.

O ansioso blogueiro considera que o movimento do impitim ruiu como a audiência do jornal nacional.

Mesmo no TSE do ministro sic Gilmar (PSDB-MT).

Não há impitim sem povo e sem líder.

E o impitim não tem um nem outro.

O Supremo sepultou o impitim com a definição do rito e, no momento, o único que ainda acredita em impitim, genuinamente, é o Ataulpho Merval.

Nem o Cunha.

O ansioso blogueiro foi (modestamente) bastante aplaudido quando lembrou que, não fosse a resistência do professor Luizinho em Congonhas, o Moro levava o Lula para a prisão perpetua em Curitiba.

E por que conduzi-lo a Congonhas ?

E por que não conduzi-lo coercitivamente para a praia u de bêbado em Paraty ?

Ou para o apartamento da Avenue Foch ?

Por que Congonhas, um aeroporto ?

Ah, foi para proteger o Lula !

Ora, Dr Moro … ele acha que você é bobo, amigo navegante.

Ele e aquele Procurador de barbicha, que parece policial do “Casablanca”.

Para proteger o Lula ?

A plateia riu muito !

O ansioso blogueiro também fez muito sucesso – modestamente – quando disse que a Presidenta Dilma cometeu erro fatal !

Achou que o Moro combatia a corrupção e que o Governo dela ia deixar como legado o combate à corrupção.

Agora se vê com solar clareza que o Moro não combate nem combateu, nunca, corrupção nenhuma !

Não tem um tucano na cadeia !

Unzinho !

Um aecinzinho !

(Quá, quá, quá!)

O Cerra, que na opinião do ansioso blogueiro deve ser um dos homens mais ricos do Brasil, está aí, soltinho, vendendo o pré-sal à Chevron !

(A lista da Forbes ainda o localizará. Vai ficar ao lado daquele que entrou de sócio na sorveteria da filha dele …)

Morto achou que ia pegar o Lula no tríplex que não é do Lula e ao lado tem uma lavadora de dinheiro que se arrebentou na praia do u de bêbado. (Vote na trepidante enquete – que nome dar à praia do triplex de Paraty? )

O Moro vai à praia do u de bêbado, ao triplex de Paraty ?

Nunquinha !

O Moro não quis combater a corrupção.

Quer derrubar a Dilma, fechar a Petrobras e encarcerar o Lula, antes que se realizem as eleições de 2018 e a de 2022.

(Sim, porque depois da de 2018 vem a de 2022 !)

Que o Lula vencerá ou vencerá quem ele apoiar.

A plateia foi ao delírio.

“Lula, guerreiro, do povo brasileiro !”, se ouviu ao fundo.

Mas, mas, mas, a Presidenta cometeu falha grave, caros amigos.

A Dilma não travou a batalha da opinião publica, deixou o Moro solto, vazando diariamente no PiG.

Sem uma resposta, sem uma reação, sem o contraditório.

Deixou a sociedade civil – sem querer ser gramsciano -  ser envenenada pela Globo.

Porque manteve no  Ministério da Justiça o Cardozo.

Um ser inanimado.

O ansioso blogueiro fez uma pausa dramática.

Inanimado. Adormecido. Inerte !

Aplausos frenéticos na plateia !

E ele dizia: dura lex sede lex, no cabelo só Gumex.

A lei é isso mesmo.

Não se discute decisão de Juiz: falou, tá falado, tem que cumprir !

E dane-se o Genoino !

O nosso – dizia ele, modesto - legado é o combate à corrupção.

E pau no PT, pau na Dilma, pau no Lula.

Dura lex sed lex, no cabelo só Gumex, era o mantra da ministerial nulidade.

Quando o Dirceu foi condenado, não se discute decisão de juiz, disse o zé da Justiça.

Dane-se, vire-se !

E sabem por que o Dirceu está preso ?, perguntou o ansioso blogueiro aos químicos.

Porque ele não pode ser solto .

Sabe por que o Moro não o soltará jamais ?

Porque o Dirceu foi o cérebro, o estrategista da eleição do Lula e da Dilma.

O Dirceu solto é um perigo !

A plateia veio abaixo !

E aí o ansioso blogueiro imitava o zé, com aquela vozinha de galã de novela no rádio: dura lex sed lex, no cabelo só Gumex !

A Dilma se deixou derrotar pelo Moro !

Porque manteve o zé na ponta da luta política, jurídica por cinco anos e dois meses !

Agora, o mal está feito !

É torcer para se acelerar a desmoralização das coerções condutivas do Moro.

E que o Cardozo suma de circulação, recolha-se à sua irremediável irrelevância.

Em tempo: o ansioso blogueiro respondeu a uma pergunta sobre o que fazer diante da hegemonia da Globo. Simples. Pegar o dinheiro que o Banco do Brasil dá à Globo e montar um portal poderoso, profissional, melhor que o da CUT, que é uma bela porcaria.

Por falar nisso, leia esse primoroso artigo que saiu no Nassif http://jornalggn.com.br/noticia/cardozo-um-homem-nefasto-por-andre-araujo:

Por Andre Araujo

Sir Winston Churchill era um excepcional frasista, sabia compor numa frase a síntese de um assunto complexo.

Quando Josef Stalin fechou as fronteiras do bloco soviético na Europa do Leste, Churchill cunhou a frase, "de Stetin, no Báltico até o Mar Negro uma cortina de ferro se fecha sobre a Europa".

Em 1938, quando Neville Chamberlain era Primeiro Ministro do Reino Unido, e conduzia a política de apaziguamento com a Alemanha nazista, Churchill era seu maior opositor.

Atribuía grande parte da política pacifista de Chamberlain ao então Embaixador britânico em Berlin, Sir Neville Henderson, bajulador da cúpula nazista e que alimentava Chamberlain com falsas avaliações da situação em Berlin dizendo que
Hitler se contentaria com a Tchecoslovaquia como última reinvidicação alemã e dai para frente nada mais iria pedir à França e Inglaterra.

Uma estupidez única de avaliação. Hitler já tinha manifestado suas intenções muito maiores no seu livro Mein Kampf e qualquer observador mais agudo da Alemanha saberia que as ambições dele não se limitariam à pequena Tchecoslovaquia.

Foi Henderson que incentivou Chamberlain a voar para Munique e assinar o vergonhoso "Acordo de Munique", pelo qual a Inglaterra e a França deram de graça na bandeja a Tchecoslovaquia aos alemães, apesar de terem garantido sua independência.

Churchill tinha horror a Henderson e sobre ele disse:  "é o diplomata errado no lugar errado na hora errada, tolo e frívolo é um HOMEM NEFASTO".  

Churchill se referiu a um homem que sem ser líder ou fino analista, era mais um cortesão e bajulador do que operador diplomático e com sua leviana informação sobre as verdadeiras intenções nazistas levou Chamberlain e o governo britânico a um fatal erro de decisão, ao conceder um presente gratuito e sem salvaguardas ao Terceiro Reich.

A Historia puniu Henderson com a horrível tarefa de pessoalmente entregar a Joachim von Ribbentrop [ministro de Relações Exteriores da Alemanha Nazista], em 1º de setembro de 1939, o ultimato para que a Alemanha saísse da Polônia em 48 horas sobre pena de declaração de guerra, o que aconteceu. Henderson viu ruir toda sua obra de inconsequente apaziguamento de um regime que queria a guerra.

A expressão de Churchill UM HOMEM NEFASTO me veio à mente ao fazer um balanço sobre um Ministro do atual governo que sem ser líder ou operador, é mais definível como cortesão.

Errou muitas vezes em mal  informar a Presidente e tranquilizá-la sobre ações dentro de seu ministério, quando sua obrigação era alertá-la e ajudá-la a preparar a reação a fatos que aconteceram dentro de seu espaço de comando e sobre o qual ele demonstrou não ter nem controle e nem conhecimento.

Personagens deste tipo na Historia causam mais estrago do que conselheiros frios e leais que mostram a seu chefe os perigos que estão no caminho à frente, ajudando ao chefe na preparação da defesa, invés de dar garantias que não pode sustentar e cenários róseos que não podem bancar.

O cortesão agradável e insincero é um tipo muito comum nas cúpulas de Governo e são portadores de desastres formidáveis que vem à galope à sombra de seus agrados.

Churchill no seu Governo de 1940 a 1945 nomeou mais de 200 generais, almirantes, embaixadores, ministros e conselheiros. Errou em dois ou três casos apenas.

Um raro conhecedor de almas, psicologia, valor, lealdade e personalidade, de seus auxiliares diretos. Dois foram depois Primeiro Ministros (Eden e Mac Millan), seus generais foram enobrecidos como viscondes  pelo Rei Jorge VI (Montgomery of Alamein e Alexander of Tunis) e seus perfis históricos nos dois livros básicos sobre a Primeira Guerra (World Crisis) e Segunda Guerra (History of Second World Wra) são uma aula de governo, diplomacia, estratégia e alta política, mas a base sempre foi sua avaliação das personalidades.