Brasil

Você está aqui: Página Inicial / Brasil / 2015 / 01 / 30 / Brasil: mulheres não carregam mais baldes com água na cabeça

Brasil: mulheres não carregam mais baldes com água na cabeça

Dados foram divulgados pela ministra Tereza Campello, nesta sexta-feira (30)
publicado 30/01/2015
Comments

 

 

 

 

A Ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Tereza Campello, afirmou nesta sexta-feira (30) que 100% das metas do Governo Federal foram atingidas no programa Brasil sem Miséria.

“O Plano Brasil sem Miséria é uma das maiores articulações interministeriais dentro do governo, estados, cidades. Não é apenas por causa dos 22 órgãos, é sim pela intensidade e efetividade da cooperação entre as ações do governo. Uma rede gigantesca que se formou em torno dessa missão, que era construir uma agenda do Brasil sem Miséria”, disse a ministra.

A meta de entregar 76 mil cisternas até o dia 31 de dezembro de 2014 foi ultrapassada e chegou a 102 mil.

“Só com o Água para todos, 1,1 milhão de cisternas foram  entregues no sertão brasileiro. São 1,1 milhão de mulheres que não carregam mais baldes de água na cabeça”, completou Campello no Sexta com Debate,  ciclo de palestras de 2015.

Segundo dados do Ministério, o Brasil Sem Miséria, criado em 2011, tirou 22 milhões de pessoas da extrema pobreza a partir de inovações feitas no Bolsa Família .

“O Brasil sem Miséria possibilitou estabelecer a linha de pobreza, inclusão econômica e acesso aos serviços. Essas três inflexões alteram a forma como o governo estabelece políticas públicas à população mais pobre”, destacou.

“Agora, temos um piso social no Brasil e mudamos de patamar de como lidávamos com políticas públicas para pobreza. É Um novo exemplo de como construir uma agenda de pobreza no mundo”, prosseguiu.

Para a ministra, “um dos grandes objetivos  é ter escola em tempo integral para todas as crianças”. Temos um novo patamar para alcançar. Um novo desafio. Fizemos só o começo. Vamos fazer muito mais”, finalizou.


Abaixo, a apresentação feita pela Ministra:







Alisson Matos, editor do Conversa Afiada



Leia também:

 

Campello: aumentou o preconceito contra pobre

 

 

 

Crianças do Bolsa não terão passado dos pais