Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Publicado em 26/10/2011

81% dos escravos de hoje são negros. Não, não somos racistas

Saiu do Globo, extraído do Blog do Nassif: O perfil dos escravistas.

Interessante: como o Kamel explica que os escravos não sejam brancos ?

Saiu do Globo, extraído do Blog do Nassif:

Cabe observar que os escravocratas do Brasil do Século XXI são sudestinos.

Viva a elite do Brasil!

Ou, como dizia a Evita Peron, “los oligarcas de mierda”.

O perfil dos escravistas


Do Globo.com


Fazendeiros acusados de trabalho escravo são do Sudeste, com boa formação e ligados a partidos políticos


BRASÍLIA -A pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que pela primeira vez traçou o perfil das vítimas de trabalho escravo no Brasil, mostra quem são os fazendeiros acusados de explorar os trabalhadores nessas condições. Com base na Lista Suja do Ministério do Trabalho, entrevistas com 12 dos 66 contactados pelo organismo permitiram concluir que a maioria deles nasceu no Sudeste, mas mora nas regiões próximas às lavouras (Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Eles têm curso superior e declararam como profissões pecuarista, agricultor, veterinário, comerciante, gerente, consultor e parlamentar. São filiados ao PMDB, PSDB e PR.


Os aliciadores (gatos) têm baixa escolaridade, idade média de 45,8 anos, são na maior parte nordestinos e vivem nas regiões Norte e Centro-Oeste.


A pesquisa, chamada “Perfil dos principais atores envolvidos no trabalho escravo rural no Brasil”, mostra ainda que Maranhão, Paraíba e Piauí são exportadores desse tipo de mão-de-obra. Segundo o levantamento, realizado a partir de depoimentos de 121 pessoas libertadas pela fiscalização do governo, entre 2006 e 2007, esses três estados foram as principais origens dos trabalhadores resgatados em Goiás (88%) e Pará (47%). No Mato Grosso e na Bahia, 95% deles eram procedentes da região.


Segundo a OIT, a agropecuária continua sendo o setor de maior concentração de trabalho escravo, sobretudo nas fazendas de cana-de-açúcar e produção de álcool, como é o caso do Pará; plantações de arroz (Mato Grosso); culturas de café, algodão e soja (Bahia); lavoura de tomate e cana (Tocantins e Maranhão).


O coordenador do projeto de combate ao trabalho escravo da OIT no Brasil, Luiz Antonio Machado, disse que a pesquisa mostrou que a dinâmica do trabalho escravo no país tem se mantido, tanto nos estados com maior ocorrência, quanto nas atividades econômicas. Ele destacou, porém, que o governo aumentou também a fiscalização nas regiões Sul e Sudeste.


O levantamento também mostrou que as desigualdades de renda e raça se reproduzem entre as vítimas do trabalho escravo: 81% são negros, oriundos das regiões Norte e Nordeste, com renda média de 1,3 salário mínimo. Do universo entrevistado, 18,3% são analfabetos e 45% têm menos de cinco anos de estudo, sendo considerados analfabetos funcionais.


Entre as recomendações para tornar as políticas de combate ao trabalho escravo mais efetivas, a OIT sugere programas de qualificação profissional e elevação da escolaridade dos trabalhadores nas áreas de maior concentração, associados ao benefício do Bolsa Família; criação de empregos nos municípios de origem e residência dos trabalhadores; e realização de programas de reforma agrária, com apoio à agricultura familiar.


Bolsa família não barra trabalho escravo


O estudo da OIT revela ainda que o benefício do Bolsa Família não tem sido suficiente evitar a ocorrência do problema. O levantamento, realizado a partir de depoimento de 121 pessoas, revela que em 67% das famílias de trabalhadores libertados, existem crianças e adolescentes, sendo que 28% delas são beneficiárias do programa.


O levantamento concluiu também que quase 60% dos trabalhadores resgatados são reincidentes e que a fiscalização do governo conseguiu libertar apenas 12,6% deles – o que revela a pouca efetividade das políticas de combate ao trabalho escravo no Brasil.


Segundo Luiz Antonio Machado, coordenador do projeto da OIT de combate ao trabalho escravo no país, o Bolsa Família ajuda a reduzir a vulnerabilidade dos trabalhadores porque melhora a alimentação das famílias, mas por si só, não evita que os chefes dessas famílias se submetam a condições degradantes de trabalho, com cerceamento de liberdade.


- O Bolsa Família é insuficiente para impedir que os trabalhadores sejam vítimas de trabalho escravo – disse Machado, defendendo que o governo desenvolva outros programas associados, como criar empregos nas localidades onde residem esses trabalhadores, ofertando cursos de qualificação.


Entre trabalhadores libertos, 85% têm baixa escolaridade


A pesquisa revelou que 85% dos trabalhadores libertados, além de baixíssima escolaridade (analfabetos e com menos de quatro anos de estudo), nunca fizeram um curso de qualificação. No entanto, 81,2% deles declararam que gostariam de fazer algum curso, principalmente os mais jovens: 95,2% dos que têm menos de 30 anos disseram ter preferência nas áreas de mecânica de automóveis, operação de máquinas, construção civil (pedreiro, encanador, pintor) e computação.


Segundo Machado, o alto índice de recorrência se deve à falta de alternativas, sobrando nas áreas rurais apenas a “empreitada”. Ele disse que além da equipe de fiscalização não conseguir cobrir todo o país, é preciso que haja maior conscientização. Na maioria das vezes, o trabalhador não denuncia. Em alguns casos, eles conseguem fugir ou, depois que a empreitada acaba, são liberados sem receber pelo serviço.


A pesquisa revelou também problemas no combate ao trabalho infantil: 92,6% dos entrevistados começaram a trabalhar antes dos 16 anos de idade, em média aos 11,4 anos. Os trabalhadores foram ouvidos entre outubro de 2006 e julho de 2007. Eles foram libertados de fazendas no Pará, Bahia, Mato Grosso e Goiás.

Navalha

Este post é uma singela homenagem a Ali Kamel, o nosso Gilberto Freyre.

Paulo Henrique Amorim





Comentários

  • Ivan Jotta

    Adoro as “singelas homenagens” do PHA ao Kamel!!!!!

  • Sylvia Tigre de Hollanda Cavalcanti

    PHA,que sacrilégio! Coitado do conterrâneo…

  • T

    Foi uma surpresa para mim. Achava que os escravos eram aqueles descendentes de suecos e finlandeses analfabetos que vieram para o Brasil, e os escravocratas descendentes daqueles africanos versados na ciência que se desenvolveu muito após a revolução industrial africana.
    Como somos racistas!

  • m.fóerbah

    O Gilberto Freire escreveu Casa-Grande & Senzala,
    e o Kamel escreveu o que?

    O que se sabe do Kamel é a tentativa da mágica da
    bolinha de papel em parceria com o Cerra.

  • Mauro Silva

    Caro PHA
    99% dos jornalistas do PIG são escravos, e aqueles que eles chamam “colegas”, seus patrões, são, em verdade, seus donos.

  • Fred Azevedo

    PH, my friend; escuta esta:
    A revista Carta Capital – que já está nas bancas – na pag. 36, revela um absurdo. A biblioteca do exército imprime e divulga o livro (dizem que é livro) do Ali Kamel – Não somos Racistas.
    Pelo visto, o exército adora a desinformação e a distorção da história.
    Assim não dá né, Ministro Amorim!!!

  • Alice

    Esse é um número que não surpreende, mas entristesse profundamente. Como ainda há muiiiiiiiito o que fazer.

  • Sérgio C. Franca - Piracicaba/SP

    Esses dados não me surpreendem, moro numa região canavieira e de usinas de açúcar e álcool e sei que isso acontece, também aqui em São Paulo.
    Outro ponto que tem relevância nessa questão é justamente no crescimento da demanda na construção civil onde uma grande parte dos trabalhadores são oriundos do nordeste e a forma como eles tem sido tratados por aqui é semelhante ou até pior do que era dado no período da escravatura. Lamentável

  • E os nomes dos “ABOLUCIONISTAS” ?

    Seriam os mesmos que querem acabar com o ENEM e o PROUNI ?

  • Giovanni

    que coincidencias que estas coisas só vêm do Ceará, terra d o “tenho Jatinho”. Os demos/tucanos deviam variar par não dar na vista. Mas, como so vem de lá, ta na cara q é “coisa feita”:

    http://g1.globo.com/ceara/noticia/2011/10/estudantes-dizem-que-escola-do-ce-antecipou-questoes-do-enem.html

  • 'Lenir Vicente

    Trabalho digno, com carteira assinada e educação para todos .O Brasil chega lá.Quanto ao racismo, não é necessário que nenhum estudo nos informe que ele existe no país.É só olharmos para os altos dos morros e observarmos que ali os negros são maioria.Os que não são negros são oriundos do norte ou nordeste.Herança nefasta da Casa Grande.

  • Bertoldo Klinger

    “18,3% são analfabetos e 45% têm menos de cinco anos de estudo”

    Pense nisso antes de ficar glorificando o Haddad!

    • Alice

      Estamos falando de todo um histórico de ausência de políticas públicas na área da assistência, saúde e Educação e você colocou o Ministro Haddad que tem alguns anos no ministério e vem fazendo um trabalho como ainda não houve neste país. Fatores históricos e temporidade te faltam…

    • Maria Libia

      Como se o Haddad fosse resolver em 8 ou 10 anos o que levou mais de 300 anos de uma escravatura mal disfarçada. Não seja cínico Bertoldo Klinger, se vc se acha de criticar porque não critica o PSDB que está a 17 anos no governo do est.mais rico da união e cuja educação só tem formado ignorantes funcionais

  • Wilhelm

    E o que acontece com os proprietários destas fazendas em que é flagrado o trabalho escravo?

    Estou ouvindo um silêncio ensurdecedor.

  • flaino...

    Por quais motivos: ético ou econômico?
    Inglaterra, a partir de 1807…
    Platão e sua república, desde a.C…
    Os afetos em Espinosa…
    Os escravos de os desejos em Kant…

  • Luciane Araujo

    Em alagoas no meu estado amado o que nao falta sao Senhores donos de senzalas uma realidade atualissima!

  • Cafe do Bode

    Quando é que a Globo vai fazer reportagens sobre as m… norte-americanas? Ou os murdoch´s de lá são todos santos?

  • Pereira

    Trata-lo-ei doravante de: “sociólogo de boteco”!

  • Leandro

    “… declararam como profissões pecuarista, agricultor, veterinário, comerciante, gerente, consultor e parlamentar.”

    PROFISSÃO PARLAMENTAR?! Ser parlamentar é um cargo público temporário e não profissão. Temos que dar um fim ao direito de reeleições infinitas em qualquer cargo público que seja, pois as pessoas que lá estão fazem disso uma profissão, criam verdadeiras raízes e abre espaço para um tanto de conluios.

  • Lair

    A bala de prata do Haddad já está na internet , o Zé Baixaria e o Tasso venceram!!!!

    Tem que cassar um senador da oposição para equilibrar o jogo.

  • Daniel Pires

    Paulo daria para você comentar a carta desaforada do defunto Stive Jobs a nossa Presidenta. Quando teve seus interesses prejudicados a respeito do negócio entre o governo brasileiro e a Foxcon?

  • Natan Bastos

    E neguinho ainda diz que o Bolsa Família é bolsa vagabundadem. Mesmo com BF o trabalhador ainda “pega” trabalho escravo. Vai ser vagabundo assim no interior do Brasil !

  • Permita-me fugir do assunto , prezado PHA, se Orlando Sillva for demitido, vou passar a assinar VEJA, para ver a composição do ministério em Novembro e já posso adiantar que vão tentar deturpar o ENEM e HADAD. Bom falando nisso, vou programar uma viagem a Veneza e me benzer com o bispo de Guarulhos.

  • Dionísio

    E ainda querem roubar o Oeste baiano com um movimento separatista em Barreiras !!!

  • Urbano

    Nos três poderes ainda existe uma pá de barões de meia pataca, que moram em casa grande e adoram uma senzala. Infelizmente, eu não posso citar alguns aqui.

  • Antonio

    Viva a elite branca do sudeste. Deus há de guardá-los em bom lugar após sua morte.

  • Dinha

    É agora que o livro anti-racismo do Kamel venderá igual água no calor de 40º do Rio.

  • maria do ceará

    Ali Kamel, num ato patriotico ,devia empregar esses 19% de escravos brancos e mestiços na Rede Globo. E fazer uma novela em homenagem a eles. Com direito a entrevistas em todos os “Derruba Brasil” – 4 por dia-, que a empresa usa para envenenar os bobos que a assistem.

  • ninguém merece

    Há várias soluções: escola de boa qualidade para TODOS; cotas para os neo escravos; que pelo menos 50% sejam de brancos com olhos azuis, para que não haja discriminação, pois como se sabe, não existem brancos pobres e/ou analfabetos e/ou marginalizados. Outra solução seria mudar-lhes a nomenclatura, passando a chamá-los de estagiários. Outra ainda seria prender os feitores.

  • ricardo silveira

    Que diferença há entre um grande traficante de drogas e um pecuarista, agricultor, comerciante, veterinário, consultor e parlamentar (todos oligarcas de m…) que exploram o trabalho escravo em suas propriedades? Quantos já foram presos?

  • Francisca Rocha

    Estou tão chateada com o que aabo de ler. que só me resta dizer: ” Que bandidagrm existe nesse Pais e, pior ainda, escravidão do homen simples pelo Homem esperto. Meu Deus que injustiça,que falta de humanidade e respeito se comete o tempo todo.! Solução urgentr…

  • Fred Azevedo

    Do Norte de Minas, e dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha, partem dezenas de ônibus todos os anos, levando mão de obra barata para trabalharem no MT, SP e GO.
    Essa é a Minas que a mídia não mostra.
    São os famosos “gatos” ou turmeiros, que recrutam os trabalhadores para viverem em condições sub-humanas de trabalho. Sempre a mando de algum figurão da política ou do sistema financeiro…que nunca aparecem!
    E o caso da chacina de Unaí? Até hoje nada. E olha que mataram agentes públicos do MTE! Imaginem vocês, o que eles não matam…

  • Ildy

    Incrível como acontecem as coisas e a mídia relata ou esconde de acordo com o seu interesse. Aqui no meu estado, uma rede de tv afilhada da Globo, anunciou no finalzinho da 1a. edição 12:00h que a PF através de investigação descobriu trabalho escravo na fazenda de um político influente e que ele estava a caminho para o local quando soube da denúncia e que outras informações o telespectador iria conferir no jornal 2a. edição 19:00h. Ninguém ouviu falar mais sobre o assunto.

  • Senzala

    Um deixa ver se eu entendi. SUDESTINOS de olhos azuis e cabelos loiros escravizam nordestinos negros e “PARDOS” ? Eu disse pardos ? Será que são os utros 19% ?

    São os mesmos que são contra as cotas, o enem, sisu, Bolsa Família etc.

  • Mario Coutinho

    No Brasil profundo as relações ainda são feudais…

  • Pereira

    Esse moço não é um capacho qualquer convenhamos. É um capacho dos marinhos portanto, endinheirado!!!
    O interessante é a outra função que ele desempenha com o incentivo e bênção de seus donos: “sociólogo de botiquim”

  • rubens jamil

    A novidade são os 19% que não são negros…seriam então mestiços, ou loiros de olhos azuis???

  • Mardones Ferreira

    Para reforçar: segundo MTE, entre 1995 e 2010 mais de 38 mil trabalhadores foram libertados de trabalhos forçados no Brasil.

    Isso depois de 123 anos da assinatura da lei Áurea. Aquela lei que jogou de deixou os escravos à própria sorte. 123 anos!

    Viva o Brasil, viva o agronegócio!!!!

  • Angustiante. E como tem gente COVARDE entre os da “crasse média” assim como de estúpidos entre os “que se crêem” desta classe…

  • Dinei

    A matéria tem a assinatura de uma organização globo, MAS repare como eles não omitem opinião nenhuma, diferentemente quando o assunto aperta seus calcanhares, onde os adjetivos exaltados(contra evidentemente) são abundantes e as opiniões tem jeito de sentença final condenatória. É a isenção informativa tendenciosa!!! Neste caso, como o assunto engloba(sem trocadilho) aliados, nennhum comentário contra esse absurdo que ainda é a escravidão no mundo agrário brasileiro em pleno seculo XXI.

  • reinaldo bordon carletti

    esse sujeito ainda existe?
    reinaldo carletti

  • Valdeci Elias

    Será ,que vão propor ,a Lei das cotas da escravidão ?
    A empresa rural , que não tiver escravos deficientes, escravos sulistas ou do sudeste, e escravos brancos, vai ser punida .

  • Marco

    Dilma convida e recebe Fernando Henrique para almoço em seu palácio.
    Por que Dilma não convida quem votou e apoiou ela?
    Um entreguista como FHC não deve ser bajulado pela presidente eleita por votos de pessoas que destestam esse senhor.
    Não demora muito e ela manda fazer uma estátua em homenagem a FHC.
    O que passa pela cabeça desta equivocada senhora?
    será que devemos votar no PSDB agora?

    • Pedro1

      Calma com o andor. Um grupo, os The Elder, ou qualquer coisa parecida, a chamou para um jantar no Rio de Janeiro. Ela achou melhor chamar o grupo à Brasília.

      Só que, nesse grupo, que possui Nelson Mandela e Desmond Tutu entre seus integrantes, FHC está.

      Ela não está convidando FHC pra canto nenhum.

  • nadja rocha

    Para mim existem vários tipos de trabalho escravo, tem um que passa despercebido por ser trabalho escravo de luxo. Escravo de luxo? Que horror! Sim. Nos escritórios de arquitetura.Eles usam os arquitetos recém formados como verdadeiros escravos. Não tem carteira assinada, trabalham mais de 12 horas por dia e recebem uma “mixaria”.Não podem denunciar pq ficam “queimados” no mercado.Fiscalização? Rá!

  • Edvard

    Imaginem se fossemos racistas!
    Eu gostaria de saber se os escravocratas ligados aos partidos possuem alguma concessão de algum meio de comunicação.
    Por outro lado, eu também gostaria de saber a posição do senador de cara esticada a respeito os escravocratas que estão filiados ao seu partido.

  • Edson

    Este tipo de crime deveria ser hediondo e com pena de prisão perpétua, mas duvido muito que alguém fique preso. As nossas leis e a nossa justiça só existem para inglês ver e para P…., P…. e P… .

  • RicardãoCarioca

    http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/10/25/lula-tem-50-convites-para-receber-diplomas-de-doutor-honoris-causa-925660596.asp

    “…- Todos querem Lula, no mundo. Partidos políticos, governos, instituições, ONGs, universidades… Os pedidos de visitas e palestras são incontáveis. É impossível atender a todos. Temos mais convites do que na época em que ele era presidente e a equipe do instituto é menor do que a do governo – revelou Clara ao GLOBO…”

  • Júnior

    Bom Dia Sr. Paulo Henrique
    Solução: Escola com ensino básico mínimo(para começar) para todos os trabalhadores brasileiros e cadeia para essa elite “sudestinas” escravocratas.

Deixe seu comentário

"O Conversa Afiada não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas ou que excedam 15 linhas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do Conversa Afiada."

  •