Política

Você está aqui: Página Inicial / Política / 2011 / 07 / 13 / Como Dilma fará a transição para o Governo dela

Como Dilma fará a transição para o Governo dela

O Oráculo de Delfos não é Aristóteles, mas fundou um Liceu, tantos os discípulos e idólatras
publicado 13/07/2011

 

O Oráculo de Delfos não é Aristóteles, mas fundou um Liceu, tantos os discípulos e idólatras.

Este ansioso blogueiro se enquadra em qualquer das categorias e teve esta semana o raro prazer de conversar com outros discípulos e idólatras, na presença do Oráculo.

Não éramos exatamente peripatéticos, porque estávamos sentados.

E nem gregos, porque tomávamos suco de goiaba.

Aqui se reproduzirão alguns conceitos e aforismos ali enunciados, sem que seja possível determinar exatamente quem disse o que: se o Mestre ou os seguidores.

- Como Dilma fará a transição do Governo Lula para o Governo dela ?

- Pode ser a consagração, mas pode dar muito errado.

- O problema não é a transição. É o PT.

- É essa falsa opção entre PT de São Paulo e PSDB de São Paulo.

- O que torna a política nacional uma questãozinha provincial.

- O Alckmin. Você conhece o Alckmin ? Como é simplório.

- É essa a palavra.

- E o Serra ?

- Bem, esse é professor de Deus.

- Isso quando ele se dispõe a dar aula.

- O Fernando Henrique teve a intuição certa: o negócio deles é ir para classe média.

- É, mas só que eles não têm mais como se apresentar à classe média, nem ao povão. Eles ficaram com a cara da elite. E da elite de São Paulo.

- Não há mais liga entre eles e o povão. O Fernando Henrique pode saber onde fica a classe média. Mas a classe média não quer saber onde ele fica.

- Eles não têm biografia para chegar à classe média e dizer: sigam-me se forem brasileiros.

- Me diga aí uma coisa original que o Serra tenha dito em 40 anos de vida pública. Uma !

Silêncio.

Silêncio.

- Bom, tem os genéricos ...

- Alto lá, isso foi do Jamil, do Jamil Haddad, do Itamar, que, coitado, morreu sem que reconhecessem o trabalho dele.

- O cara teve 40 milhões de votos, 40 milhões de votos, e não consegue ser presidente do Instituto do Partido dele.

- Dão pro Tasso.

- O Serra tem que se contentar com um Conselho, um diretório acadêmico.

- Mas, quem mandou fazer uma campanha que não tinha uma idéia ? Ele saiu da campanha de bolsa vazia – e cérebro vazio.

- Cérebro, não, esse saiu avariado com a bolinha.

- O problema é o cerco da mídia.

- A mídia é que estimula essa polarização entre PT de São Paulo e PSDB de São Paulo. É bom para ela.

- Só interessa à mídia e ao PT e PSDB de São Paulo. É uma ação entre amigos.

- Qual é a diferença entre o PT de São Paulo e o PSDB de São Paulo ?

- Qual é a diferença entre o Pagot e o Paulo Preto ?

- Não, estou falando em diferença de projeto, do que fazer pelo Brasil.

- Os tucanos de São Paulo não têm uma mísera idéia.

- E o Aécio caiu do cavalo com seis meses de exposição no palco federal.

- Era poeta estadual e a gente não sabia.

- Você sabe que tem político que se deslumbra. Que não pode ver um rico, um jatinho, adora ficar amigo dessa elite de ... que tem no Brasil.

- Mas, o pior é que não eles não têm projeto. Não sabem o que fazer do Brasil.

- Estão há oito anos fora do poder e não produziram uma proposta.

- Vão ficar no moralismo da velha UDN.

- É, mas calma, porque o eleitor da Classe C, e o eleitor ainda mais pobre, ele é muito conservador, ele não quer saber de roubalheira, não, nem de impunidade.

- O eleitor cada vez exige mais. Ele está sabido como nunca.

- E não tem mais cabresto.

- Ele vai para onde quiser, vai por onde subir na vida mais rápido.

- Ele é louco por educação. E não é só educação. Ele quer se aprimorar, se aperfeiçoar.

- Tecnologia, meu querido. Dar tecnologia !

- Outra coisa, ele vai ser aliado dos governantes e exigir uma melhoria nos serviços públicos. Ele usa a saúde pública, a escola pública. Ele não tem dinheiro para plano de saúde, para escola particular. Então, meu amigo, trate de melhorar a escola, a saúde do seu município, do seu Estado.

- E não adianta ficar falando mal, dizer que está tudo errado.

- Não, senhor. Ele está vendo o progresso, ele melhorou de vida. Ele quer é ir em frente.

- Mas, e a Dilma, como vai ser a transição para o Governo dela ?

- Ela pode fazer o que quiser. Menos dar a impressão de que brigou com o Lula.

- Víííííxe !

Pano rápido.



Como Dilma fará a

transição para o Governo dela

O Oráculo de Delfos não é Aristóteles, mas fundou um Liceu, tantos os discípulos e idólatras.

Este ansioso blogueiro se enquadra em qualquer das categorias e teve esta semana o raro prazer de conversar com outros discípulos e idólatras, na presença do Oráculo.

Não éramos exatamente peripatéticos, porque estávamos sentados.

E nem gregos, porque tomávamos suco de goiaba.

Aqui se reproduzirão alguns conceitos e aforismos ali enunciados, sem que seja possível determinar exatamente quem disse o que: se o Mestre ou os seguidores.

- Como Dilma fará a transição do Governo Lula para o Governo dela ?

- Pode ser a consagração, mas pode dar muito errado.

- O problema não é a transição. É o PT.

- É essa falsa opção entre PT de São Paulo e PSDB de São Paulo.

- O que torna a política nacional uma questãozinha provincial.

- O Alckmin. Você conhece o Alckmin ? Como é simplório.

- É essa a palavra.

- E o Serra ?

- Bem, esse é professor de Deus.

- Isso quando ele se dispõe a dar aula.

- O Fernando Henrique teve a intuição certa: o negócio deles é ir para classe média.

- É, mas só que eles não têm mais como se apresentar à classe média, nem ao povão. Eles ficaram com a cara da elite. E da elite de São Paulo.

- Não há mais liga entre eles e o povão. O Fernando Henrique pode saber onde fica a classe média. Mas a classe média não quer saber onde ele fica.

- Eles não têm biografia para chegar à classe média e dizer: sigam-me se forem brasileiros.

- Me diga aí uma coisa original que o Serra tenha dito em 40 anos de vida pública. Uma !

Silêncio.

Silêncio.

- Bom, tem os genéricos ...

- Alto lá, isso foi do Jamil, do Jamil Haddad, do Itamar, que, coitado, morreu sem que reconhecessem o trabalho dele.

- O cara teve 40 milhões de votos, 40 milhões de votos, e não consegue ser presidente do Instituto do Partido dele.

- Dão pro Tasso.

- O Serra tem que se contentar com um Conselho, um diretório acadêmico.

- Mas, quem mandou fazer uma campanha que não tinha uma idéia ? Ele saiu da campanha de bolsa vazia – e cérebro vazio.

- Cérebro, não, esse saiu avariado com a bolinha.

- O problema é o cerco da mídia.

- A mídia é que estimula essa polarização entre PT de São Paulo e PSDB de São Paulo. É bom para ela.

- Só interessa à mídia e ao PT e PSDB de São Paulo. É uma ação entre amigos.

- Qual é a diferença entre o PT de São Paulo e o PSDB de São Paulo ?

- Qual é a diferença entre o Pagot e o Paulo Preto ?

- Não, estou falando em diferença de projeto, do que fazer pelo Brasil.

- Os tucanos de São Paulo não têm uma mísera idéia.

- E o Aécio caiu do cavalo com seis meses de exposição no palco federal.

- Era poeta estadual e a gente não sabia.

- Você sabe que tem político que se deslumbra. Que não pode ver um rico, um jatinho, adora ficar amigo dessa elite de ... que tem no Brasil.

- Mas, o pior é que não eles não têm projeto. Não sabem o que fazer do Brasil.

- Estão há oito anos fora do poder e não produziram uma proposta.

- Vão ficar no moralismo da velha UDN.

- É, mas calma, porque o eleitor da Classe C, e o eleitor ainda mais pobre, ele é muito conservador, ele não quer saber de roubalheira, não, nem de impunidade.

- O eleitor cada vez exige mais. Ele está sabido como nunca.

- E não tem mais cabresto.

- Ele vai para onde quiser, vai por onde subir na vida mais rápido.

- Ele é louco por educação. E não é só educação. Ele quer se aprimorar, se aperfeiçoar.

- Tecnologia, meu querido. Dar tecnologia !

- Outra coisa, ele vai ser aliado dos governantes e exigir uma melhoria nos serviços públicos. Ele usa a saúde pública, a escola pública. Ele não tem dinheiro para plano de saúde, para escola particular. Então, meu amigo, trate de melhorar a escola, a saúde do seu município, do seu Estado.

- E não adianta ficar falando mal, dizer que está tudo errado.

- Não, senhor. Ele está vendo o progresso, ele melhorou de vida. Ele quer é ir em frente.

- Mas, e a Dilma, como vai ser a transição para o Governo dela ?

- Ela pode fazer o que quiser. Menos dar a impressão de que brigou com o Lula.

- Víííííxe !

Pano rápido.