PIG

Você está aqui: Página Inicial / PIG / Globo some com tríplex na resposta do Lula

Globo some com tríplex na resposta do Lula

A Globo foi aonde o Lula mandou ela ir ...
publicado 01/03/2016
bessinha.jpg

O Instituto Lula divulgou, nesta terça-feira (1), uma resposta para possível matéria do Jornal O Globo sobre os pedalinhos no sítio que o Presidente frequenta, em Atibaia, no interior de São Paulo. A resposta, em resumo, segundo o Conversa Afiada foi na base "Lula manda Globo à m...".

A reportagem "Pedalinhos de sítio em Atibaia têm nomes de netos de Lula", que o jornal deu destaque hoje, foi feita a partir de denuncia da revista Veja do último fim de semana.

Na resposta, o Instituto Lula afirmou que não soltaria nota sobre o assunto e sugeriu que o jornal da família Marinho investigasse quem seria o real proprietário da mansão construída em área de proteção ambiental na praia Santa Rita, em Paraty.

(O Fernando Brito, no Tijolaço, por sinal, descobriu outro mistério do tríplex de Paraty)

O Globo publicou a notícia sobre os pedalinhos, mas esqueceu de dar a resposta na íntegra do Instituto Lula.

Ao que publicou o Globo:

Procurada pela reportagem do GLOBO, a assessoria do Instituto Lula afirmou que no va se manifestar sobre os pedalinhos e que "o ex-presidente e dona Marisa frequentam o sítio, que é de propriedade de amigos da família".

http://oglobo.globo.com/brasil/pedalinhos-de-sitio-em-atibaia-tem-nomes-de-netos-de-lula-18779473

 
Ao Instituto Lula, na íntegra:

 
Não, não vamos soltar nota sobre pedalinhos com os nomes dos netos do ex-presidente. Já explicamos várias vezes que o ex-presidente e dona Marisa frequentam o sítio, que é de propriedade de amigos da família. Os proprietários do sítio constam na escritura e não são empresas offshore no Panamá.

Aguardamos que a brava reportagem de O Globo que persegue pedalinhos de crianças investigue quem seria o real proprietário da mansão construída em área de proteção ambiental na praia Santa Rita, em Paraty. Haverá alguma nota ou reportagem do Globo sobre essa polêmica propriedade?

Relembrando que consideramos a nossa troca de mensagens com repórteres material de interesse público e histórico, que podemos divulgar de acordo com nossos critérios.

Atenciosamente,