PIG

Você está aqui: Página Inicial / PIG / 2012 / 04 / 29 / Tijolaço: jornalista bandido bandido é

Tijolaço: jornalista bandido bandido é

Não existe jornalista bandido; bandido é bandido
publicado 29/04/2012



Inspirado em frase do delegado Protógenes Queiroz - não existe jornalista bandido; bandido é bandido - o Conversa Afiada reproduz trechos de excelente post de Fernando Brito, do Tijolaço.

O Conversa Afiada recomenda também a leitura de "Sem Civita e Marinho CPI é uma farsa".

Ao Tijolaço:

Jornalismo e cumplicidade não são o mesmo


Não está em pauta, na CPI do Cachoeira, o sigilo de fontes jornalísticas.


Ninguém se interessa em saber qual foi a fonte do senhor Policarpo Júnior, da Veja, para os oito anos de matérias bombásticas, com gravações de diálogos escusos e revelação de supostos negócios ilegais.


Não tem interesse, porque todos já sabem: Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, o “empresário de jogos”.


O que se quer saber é outra coisa: como foi o pacto de interesses políticos firmado entre a revista e o contraventor.


Carlos Cachoeira não forneceu uma ou duas informações à Veja. Teve, sim, uma longa convivência que, em termos biológicos, teria o nome de mutualismo: uma interação entre duas espécies que se beneficiam reciprocamente.


Cachoeira usava a Veja como instrumento de seu esquema de coação, chantagem, propinagem.


Veja usava Cachoeira como fonte de combustível para a fornalha de seu ódio político contra governos de esquerda, Lula e Dilma.


A maior prova é que as ligações de Cachoeira com Demóstenes Torres e Marcone Perillo, dois aliados de Veja no campo político, nunca foram objeto de apuração por parte da revista.


Ao contrário, o tal “grampo” do diálogo entre Demóstenes e o então presidente do STF, Gilmar Mendes, foi apresentado como resultado de arapongagem governista e fez estragos dentro da Polícia Federal.


Repíto: não se quer saber quem era a fonte de Veja, porque isso já se sabe, mas quais foram as relações entre a revista e a editora Abril no uso de gravações clandestinas, que eram as ferramentas de chantagem de Cachoeira.


Não existe “sigilo de fonte” na decisão interna de um órgão de imprensa em manter uma  longa sistemática relação com um bandido.


Qualquer jornalista sabe a diferença entre receber informações de um bicheiro sobre algum caso e a de, sistematicamente, receber dele material clandestino que incrimine os policiais que lhe criem problemas. Sobretudo, durante anos e sem qualquer menção à luta de submundo que se desenvolvia nestes casos.


No primeiro caso, é jornalismo. É busca da informação e sua apresentação no contexto em que ela se insere.


No segundo, é cumplicidade. É uma associação para delinquir, criminal e jornalisticamente.


No crime, porque viola, de forma deliberada, direitos e garantias constitucionais. No caso Murdoch, o escândalo foi seu jornal ter grampeado telefones por razões políticas. Neste, o de ter utilizado por anos gravações clandestinas fornecidas por um terceiro, umn contraventor.


Sob o ponto de vista jornalístico, a pergunta é: se o “grampeador” de Murdoch tivesse trabalhado de graça, o seu jornal, News of the World,  teria menos culpa?


Cachoeira trabalhou “de graça” para a revista, mas a revista sabia perfeitamente de seus lucrativos interesses em fornecer-lhe “o material”.


Seria o mesmo que o repórter de polícia, durante anos, saber que a fonte das informações que recebia as transmitia por estar interessado em “tomar” outros pontos de bicho e ampliar seu império zoológico.


É irrelevante se o repórter fazia isso por dinheiro ou por prestígio.


Repórter que agia assim, no meu tempo, chamava-se “cachorrinho”. E tinha o desprezo da redação.


Não se ofenda a profissão confundindo as duas coisas e nem se diga que o sr. Policarpo é mero repórter. É alguém, que pelo seu cargo, tem realções diretas com a administração empresarial da revista.


Não tem sentido falar em “preservação de fontes jornalísiticas” quando a fonte e o relacionamento entre ela e um editor – não um simples e inexperiente repórter – já são objeto de registro policial devidamente autorizado pela Justiça.


Sobre o que Veja e Cachoeira conversavam está no processo, não há sigilo a se quebrado aí.


O que se quer saber é como e por que Veja e Cachoeira viveram esta longa relação mútua e que benefícios para uma e outro advieram dela.


Por isso, o senhor Policarpo Júnior deve prestar, como testemunha, declarações à CPI.


Poderá alegar preservação de fontes quando for perguntado se a direção da editora sabia a origem do material que publicava?


Não parece que isso seja sigilo profissional, do contrário Murdoch escaparia ileso.


As gravações ... pelo jornalista Luis Carlos Azenha,no Viomundo ...   são uma pá de cal no tal segredo de justiça que, todos estão vendo, não existe mais.


Dois bandidos assumem que dirigiam as publicações de “escândalos” na Veja.


E isso é um escândalo, que não pode ficar oculto.


Ocultar fatos, sim, é que é um atentado à liberdade de imprensa.