Economia

Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2011 / 03 / 01 / Para irritar neoliberal. Dilma aumenta o Bolsa Família

Para irritar neoliberal. Dilma aumenta o Bolsa Família

Os neoliberais vão ficar uma fera. O negócio deles é cortar. Cortar. Quebrar o Estado e deixar o mercado dar de comer ao miserável
publicado 01/03/2011

 

No dia seguinte ao anúncio dos cortes em que poupou o Bolsa Família e o PAC – clique aqui para ler o que a Ministra Miriam Belchior disse ao Conversa Afiada – a presidenta Dilma Rousseff anunciou, em Irecê, na Bahia, um reajuste médio de 19% nos benefícios do Bolsa Família.

Os neoliberais vão ficar uma fera.

O negócio deles é cortar.

Cortar.

Quebrar o Estado e deixar o mercado dar de comer ao miserável.

De preferência, os neoliberais - FHC, Tasso tenho jatinho porque posso e Arthur Virgilio Cardoso à frente - preferem que não se dê remédio às crianças.

Para não aumentar a carga tributária.

E por isso acabaram com a CPMF.

O Governo JK de saias - Nunca Dantes faz o oposto: para as crianças até 15 anos, o aumento no Bolsa Família é de 45%.

O benefício máximo por família subiu de R$ 200 para R$ 242.

O que, como se vê, encaixa-se, perfeitamente, na definição de Mônica Cerra, aquela estadista chilena que fez aborto no Chile, mas, no Brasil, condenou.

A D. Mônica considera o Bolsa Família uma espécie de bolsa vagabundagem.

O Blog dos Amigos do Presidente Lula publicou interessantes explicações sobre o impacto do Bolsa Vagabundagem:

Impactos positivos do Bolsa Família:


- Índice de crianças e adolescentes de 6 a 16 anos fora escola diminui em 36%, na comparação entre beneficiários (5,4%) e não beneficiários (8,4%)

- A evasão de adolescentes no ensino médio reduz à metade, comparado os índices de jovens beneficiários (7,2%) e não beneficiários (14,2%)

- A desnutrição infantil caiu de 12,5% para 4,8% de 2003 a 2008, entre crianças menores de 5 anos;

- Bolsa Família foi o responsável pela saída de 3 milhões de pessoas da extrema pobreza (Ipea/Pnad 2009);

- Distribui renda, desenvolve a economia e reduz as desigualdades sociais e regionais do país com impacto direto sobre um quarto da população brasileira

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), cada R$ 1,00 investido no Bolsa Família aumenta em R$ 1,44 o PIB brasileiro.

 

Paulo Henrique Amorim

 


Conteúdo relacionado
Miriam não corta Minha Casa nem PAC