Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Publicado em 20/04/2010

Energia eólica e solar: o Brasil que o PiG (P)ignora

  O Conversa Afiada publica e-mail do amigo naveganteHaroldo:   Repassem, principalmente, para aqueles que só fazem falar mal do nosso País e dos brasileiros, [...]

Ximenes sai na frente

 

O Conversa Afiada publica e-mail do amigo naveganteHaroldo:

 

Repassem, principalmente, para aqueles que só fazem falar mal do nosso País e dos brasileiros, e que acham que tudo o que presta vem sempre “de fora”, do “estrangeiro”.

H.

POSTE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA 100% ALIMENTADO POR ENERGIA EÓLICA E SOLAR

 

Cem por cento limpeza

Por GEVAN OLIVEIRA


Empresário cearense desenvolve o primeiro poste de iluminação pública 100% alimentado por energia eólica e solar

 

Não tem mais volta. As tecnologias limpas – aquelas que não queimam combustível fóssil – serão o futuro do planeta quando o assunto for geração de energia elétrica. E, nessa onda, a produção eólica e solar sai na frente, representando importantes fatias na matriz energética de vários países europeus, como Espanha, Alemanha e Portugal, além dos Estados Unidos. Também está na dianteira quem conseguiu vislumbrar essa realidade, quando havia apenas teorias, e preparou-se para produzir energia sem agredir o meio ambiente. No Ceará, um dos locais no mundo com maior potencial energético (limpo), um ‘cabeça chata’ pretende mostrar que o estado, além de abençoado pela natureza, é capaz de desenvolver tecnologia de ponta.



O professor Pardal cearense é o engenheiro mecânico Fernandes Ximenes, proprietário da Gram-Eollic, empresa que lançou no mercado o primeiro poste de iluminação pública 100% alimentado por energias eólica e solar. Com modelos de 12 e 18 metros de altura (feitos em aço), o que mais chama a atenção no invento, tecnicamente denominado de Produtor Independente de Energia (PIE), é a presença de um avião no topo do poste.

Feito em fibra de carbono e alumínio especial – mesmo material usado em aeronaves comerciais –, a peça tem três metros de comprimento e, na realidade, é a peça-chave do poste híbrido. Ximenes diz que o formato de avião não foi escolhido por acaso. A escolha se deve à sua aerodinâmica, que facilita a captura de raios solares e de vento. “Além disso, em forma de avião, o poste fica mais seguro. São duas fontes de energia alimentando-se ao mesmo tempo, podendo ser instalado em qualquer região e localidade do Brasil e do mundo”, esclarece.

Tecnicamente, as asas do avião abrigam células solares que captam raios ultravioletas e infravermelhos por meio do silício (elemento químico que é o principal componente do vidro, cimento, cerâmica, da maioria dos componentes semicondutores e dos silicones), transformando-os em energia elétrica (até 400 watts), que é armazenada em uma bateria afixada alguns metros abaixo. Cumprindo a mesma tarefa de gerar energia, estão as hélices do avião. Assim como as naceles (pás) dos grandes cata-ventos espalhados pelo litoral cearense, a energia (até 1.000 watts) é gerada a partir do giro dessas pás.

Cada poste é capaz de abastecer outros três ao mesmo o tempo. Ou seja, um poste com um “avião” – na verdade um gerador – é capaz de produzir energia para outros dois sem gerador e com seis lâmpadas LEDs (mais eficientes e mais ecológicas, uma vez que não utilizam mercúrio, como as fluorescentes compactas) de 50.000 horas de vida útil dia e noite (cerca de 50 vezes mais que as lâmpadas em operação atualmente; quanto à luminosidade, as LEDs são oito vezes mais potentes que as convencionais). A captação (da luz e do vento) pelo avião é feita em um eixo com giro de 360 graus, de acordo com a direção do vento.

À prova de apagão

Por meio dessas duas fontes, funcionando paralelamente, o poste tem autonomia de até sete dias, ou seja, é à prova de apagão. Ximenes brinca dizendo que sua tecnologia é mais resistente que o homem: “As baterias do poste híbrido têm autonomia para 70 horas, ou seja, se faltarem vento e sol 70 horas, ou sete noites seguidas, as lâmpadas continuarão ligadas, enquanto a humanidade seria extinta porque não se consegue viver sete dias sem a luz solar”.

 

O inventor explica que a ideia nasceu em 2001, durante o apagão. Naquela época, suas pesquisas mostraram que era possível oferecer alternativas ao caos energético. Ele conta que a caminhada foi difícil, em função da falta de incentivo – o trabalho foi desenvolvido com recursos próprios. Além disso, teve que superar o pessimismo de quem não acreditava que fosse possível desenvolver o invento. “Algumas pessoas acham que só copiamos e adaptamos descobertas de outros. Nossa tecnologia, no entanto, prova que esse pensamento está errado. Somos, sim, capazes de planejar, executar e levar ao mercado um produto feito 100% no Ceará. Precisamos, na verdade, é de pessoas que acreditem em nosso potencial”, diz.

Mas esse não parece ser um problema para o inventor. Ele até arranjou um padrinho forte, que apostou na ideia: o governo do estado. O projeto, gestado durante sete anos, pode ser visto no Palácio Iracema, onde passa por testes. De acordo com Ximenes, nos próximos meses deve haver um entendimento entre as partes. Sua intenção é colocar a descoberta em praças, avenidas e rodovias.

O empresário garante que só há benefícios econômicos para o (possível) investidor. Mesmo não divulgando o valor necessário à instalação do equipamento, Ximenes afirma que a economia é de cerca de R$ 21.000 por quilômetro/mês, considerando-se a fatura cheia da energia elétrica. Além disso, o custo de instalação de cada poste é cerca de 10% menor que o convencional, isso porque economiza transmissão, subestação e cabeamento. A alternativa teria, também, um forte impacto no consumo da iluminação pública, que atualmente representa 7% da energia no estado. “Com os novos postes, esse consumo passaria para próximo de 3%”, garante, ressaltando que, além das vantagens econômicas, existe ainda o apelo ambiental. “Uma vez que não haverá contaminação do solo, nem refugo de materiais radioativos, não há impacto ambiental”, finaliza Fernandes Ximenes.

 


Vento e sol



Com a inauguração, em agosto do ano passado, do parque eólico Praias de Parajuru, em Beberibe, o Ceará passou a ser o estado brasileiro com maior capacidade instalada em geração de energia elétrica por meio dos ventos, com mais de 150 megawatts (MW). Instalada em uma área de 325 hectares, localizada a pouco mais de cem quilômetros de Fortaleza, a nova usina passou a funcionar com 19 aerogeradores, capazes de gerar 28,8 MW. O empreendimento é resultado de uma parceria entre a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a empresa Impsa, fabricante de aerogeradores. Além dessa, a parceria prevê a construção de dois outros parques eólicos – Praia do Morgado, com uma capacidade também de 28,8 MW, e Volta do Rio, com 28 aerogeradores produzindo, em conjunto, 42 MW de eletricidade. Os dois parques serão instalados no município de Acaraú, a 240 quilômetros de Fortaleza.

Se no litoral cearense não falta vento, no interior o que tem muito são raios solares. O calor, que racha a terra e enche de apreensão o agricultor em tempos de estiagem, traz como consolo a possibilidade de criação de emprego e renda a partir da geração de energia elétrica. Na região dos Inhamuns, por exemplo, onde há a maior radiação solar de todo o país, o potencial é que sejam produzidos, durante o dia, até 16 megajoules (MJ – unidade de medida da energia obtida pelo calor) por metro quadrado.

Essa característica levou investidores a escolher a região, especificamente o município de Tauá, para abrigar a primeira usina solar brasileira. O projeto está pronto e a previsão é que as obras comecem no final deste mês. O empreendimento contará com aporte do Fundo de Investimento em Energia Solar (FIES), iniciativa que dá benefícios fiscais para viabilizar a produção e comercialização desse tipo de energia, cujo custo ainda é elevado em relação a outras fontes, como hidrelétricas, térmicas e eólicas.

A usina de Tauá será construída pela MPX – empresa do grupo EBX, de Eike Batista – e inicialmente foi anunciada com uma capacidade de produção de 50 MW, o que demandaria investimentos superiores a US$ 400 milhões. Dessa forma, seria a segunda maior do mundo, perdendo apenas para um projeto em Portugal. No entanto, os novos planos da empresa apontam para uma produção inicial de apenas 1 MW, para em seguida ser ampliada, até alcançar os 5 MW já autorizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Os equipamentos foram fornecidos pela empresa chinesa Yingli.

Segundo o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Antônio Balhmann, essa ampliação dependerá da capacidade de financiamento do FIES. Aprovado em 2009 e pioneiro no Brasil, o fundo pagaria ao investidor a diferença entre a tarifa de referência normal e a da solar, ainda mais cara. “A energia solar hoje é inviável financeiramente, e só se torna possível agora por meio desse instrumento”, esclarece. Ao todo, estima-se que o Ceará tem potencial de geração fotovoltaica de até 60.000 MW.

Também aproveitando o potencial do estado para a energia solar, uma empresa espanhola realiza estudos para definir a instalação de duas térmicas movidas a esse tipo de energia. Caso se confirme o interesse espanhol, as terras cearenses abrigariam as primeiras termossolares do Brasil. A dimensão e a capacidade de geração do investimento ainda não estão definidas, mas se acredita que as unidades poderão começar com capacidade entre 2 MW a 5 MW.

Bola da vez

De fato, em todas as partes do mundo, há esforços cada vez maiores e mais rápidos para transformar as energias limpas na bola da vez. E, nesse sentido, números positivos não faltam para alimentar tal expectativa. Organismos internacionais apontam que o mundo precisará de 37 milhões de profissionais para atuar no setor de energia renovável até 2030, e boa parte deles deverá estar presente no Brasil. Isso se o país souber aproveitar seu gigantesco potencial, especialmente para gerar energias eólica e solar. Segundo o Estudo Prospectivo para Energia Fotovoltaica, desenvolvido pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), o dever de casa no país passa, em termos de energia solar, por exemplo, pela modernização de laboratórios, integração de centros de referência e investimento em desenvolvimento de tecnologia para obter energia fotovoltaica a baixo custo. Também precisará estabelecer um programa de distribuição de energia com sistemas que conectem casas, empresas, indústria e prédios públicos.

“Um dos objetivos do estudo, em fase de conclusão, é identificar as oportunidades e desafios para a participação brasileira no mercado doméstico e internacional de energia solar fotovoltaica”, diz o assessor técnico do CGEE, Elyas Ferreira de Medeiros. Por intermédio desse trabalho, será possível construir e recomendar ações estratégicas aos órgãos de governo, universidades e empresas, sempre articuladas com a sociedade, para inserir o país nesse segmento. Ele explica que as vantagens da energia solar são muitas e os números astronômicos. Elyas cita um exemplo: em um ano, a Terra recebe pelos raios solares o equivalente a 10.000 vezes o consumo mundial de energia no mesmo período.

O CGEE destaca, em seu trabalho, a necessidade de que sejam instituídas políticas de desenvolvimento tecnológico, com investimentos em pesquisa sobre o silício e sistemas fotovoltaicos. Há a necessidade de fomentar o desenvolvimento de uma indústria nacional de equipamentos de sistemas produtivos com alta integração, além de incentivar a implantação de um programa de desenvolvimento industrial e a necessidade de formação de profissionais para instalar, operar e manter os sistemas fotovoltaicos.

Fonte: Revista Fiec

Comentários

  • jose lucas

    olá, sou pernambucano me chamo lucas e tenho 16 anos. achei muito interessante todo o projeto. O projeto teve finalidades objetivas que ninguém colocou em prática, admiro muito o cidadão que desenvolveu toda essa iniciativa ecológica, porem, a parte mais difícil agora, será implantar esse ilustre projeto em todo o nosso pais, mas tenho um certo receio sobre as industrias elétricas se aprovaram em um longo/curto período toda essa mudança, afinal eles perderam uma grande parte dos seus lucros. Sou apaixonado por essa ária e estou procurando me informar cada dia desejo um boa sorte ! parabens !
    joselucasbarroso@hotmail.com

  • luis Golfeto

    Gostaria de informações e contato com sua empresa.

  • Leandro Monteiro

    Bom dia sr.Fernando fiquei muito feliz quando vi sua criatividade,estou interessado nos seus projetos precisamos falar pessoalmente estou indo pra são paulo em fevereiro ,posso ir até ai com vc em fortaleza pra conversamos

  • Marcos

    eu gostaria de um contato pra entra em negosiação pra compra algumas unidade de poste,eu fiquei muito interesado com sua tecnologia.
    atacissamente : Marcos

  • EDUARDA DE BRAGANÇA DO PÁ

    otimo isso

  • wlady

    Adorei a ideia Gostaria de comprar onde compro ? quero dois para esperimentar Aguardo
    Obrigado

  • jose carlos

    poxa alegal!estou precisando de sua energia pois tem uma maquita eletrica e preciso usa-la para furar pedra emcima de uma montanha com vento direto, sera q produz energia o suficiente? o orçamento

  • Vladimir Alves

    Em primeiro lugar parabenizar o nosso amigo cearense pelo seu magestoso invento, e lembrar aos demais brasileiros que ja esta mais que na hora de acabar com essa divisão besta de norte, sul, nordeste… somos todos brasileiros, devemos todos é lutar pela união do nosso povo, pois não sou nordestino mais tenhos raizes fincadas aqui, admiro e respeito cada cidadão do nosso país, pois independente do estado que moram ou nascem são todos guerreiros, inteligentes e capazes de mudar a historia, e o mundo pra melhor todos os dias.
    gostaria de ver o seu invento não só no ceará, mais em todos os estados da nossa nação, e que a economia gerada, aproveitada para tirar das ruas tantos brasileiros sem teto, e sem nada para se alimentar. aos que só fazem criticar, que tal procurar algo mais útil para fazer?

  • Bruno

    A corrente continua gerada nas placas solares é convertida para alimentação da lampada do poste?

  • luiza castro

    Sr. Fernando Ximenes,
    Sou advogada pós graduada em direito ambiental e gostaria de saber se o Sr. sabe informar acerca da legislação pertinente a instalação de postes híbridos, bem como a correlato licenciamento para tal instalação.
    Atenciosamente,
    Luiza Castro

  • nicolau marino calabrez

    Sr. Fernandes.

    parabens pela invenção, estou interessado em energia eolica para nosso clube: Clube Italo Brasileiro do Espirito Santo, se tiver como interagirmos fico no aguardo.

    nosso site: http://www.clubeitalobrasileiro.com.br

    temos vento o tempo todo, quando não é o nordeste e o sul.
    sds.

    nicolau marino calabrez.
    presidente do clube italo brasileiro do espirito santo.

    27-9981-7740.

  • Rafael Silveira

    Foi citado que havera a instalacao da Usina de Taua a um custo previsto de, no minimo, 400 milhoes para produzir meros 50 MW. Ainda acho que tal iniciativa nao sera vantagem para a nossa nacao, mas sim para Eike Baptista ( n vou falar mais sobre isso porque se nao eu escreveria 1 livro sobre isso). As energias renovaveis solar e termica ainda estao carissimas e teremos que esperar cerca de 10 a 20 anos para que elas possam competir financeiramente no mesmo patamar das energias fosseis e hidroeletrica.

    Basta olhar para Portugal, que esta renovando a sua matriz energetica baseado na energia Eolica a custo de carissimos subsidios do governo e, enquanto isso ocorre, a populacao portuguesa sofre com pequenos aumentos gradativos no custo de sua energia. Ou seja, no final quem paga essa conta e a populacao local.

    A Usina de Taua sera, a meu ver, vai ser um gigante desperdicio de dinheiro para nos, a populacao brasileira. Mas esta bela iniciativa do engenheiro mecanico prova que o uso INTELIGENTE de tais fontes de energias pode ser um negocio bom para tanto para a populacao quanto para o governo(empresas~governo) visto que a proposta mostra ser lucrativa em relacao aos parametros atuais.

  • Eduardo

    Isso significa que Sao Paulo, Rio de Janeiro e outras grandes metropolis do nosso pais, so pensam em capital, cade o investimento, a tecnologia ? Onde esta o governo numa hora dessa ? hun, tudo atrasado, o Brasil é atrasado, parabens mesmo so para o Ceará, que la so tem fama de estados pobres, mas esta ali, investindo num futuro que tem que existir.

    Vitoria/ES

  • Arnaldo Freitas de Oliveira Júnior

    Prezado Colega, Saudações Ambientais…

    A você Fernando e a todos brasileiros. Ter uma atitude como esta é dizer que tens vontade política em querer transformar as acomodações instituicionais em prática, em uma realidade factível, possível. A idéia já é consolidade há muito. Bastava alguém colocar a mão na massa.Valeu meu caro. Admiro seu trabalho, coragem, e bola para frente.
    Tomare que as autoridades possam enxergar esta inovação como proposta de iluminação para a Copa 2014. Imagine todos os acessos iluminados desta forma….Seria muito bom.
    Forte abraço.

  • FERNANDO ALVES XIMENES

    FERNANDO ALVES XIMENES
    Prezados Brasileiros:

    Posso atende-los pelos E-mails e telefones.
    Cordialmente.
    Fernando Alves Ximenes
    fernandoximenes1@yahoo.com.br
    55 85 4118.0808
    9977.0562

  • luan

    como faço para adquirir poste iguais a esses. Desde ja agradeço

  • Renan

    Olá gostaria de saber se seria possivel adquirir 2 postes ecologicos para minha empresa.
    Estamos vestindo “o bom senso ecologico” como camisa de nossa publicidade, vendo que se todos fizessem sua parte teriamos um melhor modo de vida saudavel para todos.
    Nossa empresa é disposta de teto solar, uma base de tratamento de agua entre outros artefatos que tem haver com ecologia.
    Gostariamos muito de 2 postes como esse.
    Contato (88)3611.4798
    faiskabrindes@gmail.com
    Att. Renan Rocha

  • Glauter Alessio

    nosso pais que infelizmente e governado a decadas por pessoas incopetentes nao investem em tecnologia ,enquanto japoneses ,coreanos ,americanos , alemas etc tem valorizado a pesquisa diaria .temos um bom exemplo um cearense que faz energia limpa e renovada que nenhum governo da qualquer apoio a esta iniciativa .
    quando vamos acordar

  • jorg siqueira

    Caro amigo, existe u mestdo completo da viabiliade de energiaeólica para substituir a usina pretendida de belo monte?
    estudo tecnicamene provado, aprovado por tecnicos conceituados e empresas tambem.

  • [...] imagens da Time e da Veja apareceram no site do Paulo Henrique Amorim ao lado de uma outra matéria, sobre um empresário brasileiro que criou um poste de iluminação [...]

  • Prezados Brasileiros, obrigado a todos por seus elogios e comentários referente ao projeto que realizei do POSTE HIBRIDO (eólico e solar)com um equipamento em modelo de um avião, quero lembrar que todos nós Cearenses e Brasileiros estamos de parabéns, afinal sou um CEARENSE ,BRASILEIRO e o sucesso deste invento será de utilidade, aproveitamento , economia e honra para todos; Espero apenas ter contribuído para um país melhor e um mundo melhor, muitos que têm potenciais criativos almejem e acreditem em sua própria potencialidade e os que não despertaram, ainda há tempo, nossa nação precisa acreditar que também somos capazes de criar, podemos ter idéias, projetar, desenvolver, executar e fazer, se isso acontecer ! Em breve mudaremos e melhoraremos muito nosso BRASIL .
    Cordialmente.
    Fernando Alves Ximenes

  • Prezados Brasileiros, obrigado a todos por seus elogios e comentários referente ao projeto que realizei do POSTE HIBRIDO (eólico e solar), quero lembrar que todos nós Cearenses e Brasileiros estamos de parabéns, afinal sou um CEARENSE ,BRASILEIRO e o sucesso deste invento será de utilidade, aproveitamento , economia e honra para todos; Espero apenas ter contribuído para um país melhor e um mundo melhor, muitos que têm potenciais criativos almejem e acreditem em sua própria potencialidade e os que não despertaram, ainda há tempo, nossa nação precisa acreditar que também podemos ter, idéias, projetar, desenvolver, executar e fazer, se isso acontecer ! Em breve mudaremos e melhoraremos muito nosso BRASIL .
    Cordialmente.
    Fernando Alves Ximenes

  • JONAS.J.J.J.

    PH, o poste kassab deveria instalar esses com luz própria em sampa!

  • A legenda da segunda foto está errada. Nem é parque eólico, nem é no Ceará. Trata-se de uma usina solar e não é no Brasil.
    Em tempo: o Rio Grande do Norte está nesta toada também. Quem quiser conferir, veja os links: http://bit.ly/9p5WX1; http://bit.ly/9SB36c; http://bit.ly/bx6gv1; http://bit.ly/55fhR6 Abraços a todos. Vamos em frente!

  • VELHO PIRATA

    Pena que o nosso pig cabeça-xata só mostre as obras do Galego dos zoi azu. Sera que ele vai reeleito??

  • monge scéptico

    Parabéns ao engenheiro cearense. Espero que esse
    cérebro brilhante fique no BRASIL e não cooptado e
    “congelado’ em algum canto da USA se ficar compro-
    -vada a eficiêcia do projeto, ele merece um prêmio
    dos ambientalistas.O problema é termos nossa ener-
    -gia, como diz o navegante, em mãos cheias de san-
    -gue em busca de lucro. serra/fhc desgraçados!!

  • Hélio

    Vem um norte americano, metido a besta, dando pitaco na construção
    de Belo Monte e, pronto.(James Cameron-Avatar)
    Instala-se na mente de alguns brasileiros, o ‘complexo de vira-latas’
    Vamos ajoelhar, tirar os sapatos e ficar de quatro pros yankees.

    Os caras desmataram os States todinho.
    Se existe contrabando de madeira nobre na Amazônia, é porque os
    norte americanos/europeus é que criam a demanda.
    Vide, nos filmes, aquelas casa suntuosas todas revestidas em madeira nobre, além dos móveis.

    Agora, ninguém fala, ou mostra na foto, que bem ao lado do local da
    construção de Belo Monte, há um povoado de médio porte, sem infra-estrutura nenhuma, poluindo o Xingú com seus esgotos.

    A usina terá um pequeno lago(fio dágua)e, o meio ambiente terá o menor impacto possível.
    A relação custo benefício, é altamente positiva.

  • amandio

    fiz um comentário o que deu?…

  • amandio

    PHA:Para aqueles que não acreditam no povo deste País,para quem só merece reconhecimento o estrangeiro,sobretudo o americano.São os impotentes que se queixam que no país só se faz merda e que quando aparece alguém que não faz merda desatam a rosnar de fúria e ciúme diante da tesão alheia por sentirem o trapo murcho dentro das cuecas por não serem capazes.São defitivamente uns incapazes.(A.L.Antunes)

  • Rose

    Parabens , que os brasileiros começem a dar valor no que nós temos ski nesta terra tão abençoada.

  • Rogério Ramirez

    - Kassab podia usar isso para ligar os relógios de rua ….

  • jbmartins

    Dale Cearense, seria coincidencia os Nordestinos estão mais em evidencia, seria um tratamento no mesmo nivel que estamos tento, com a palavra o Sr Zé ant-Nordestino.

  • Tenorio/SP

    Fascinante, como diria o Sr. Spock.

  • Italo

    Quero ver as companias eletricas deixarem esta idéia evoluir. Eu pago p/ a prefeitura 20,00R$ por um poste que só ilumina o pé para um cachorro urinar. Imagina quanto não paga um condminio inteiro por um poste

  • LEONARDO

    Não tem como fazer uma analogia desse projeto com a atual política para o setor de energia e águas. Trabalho no setor elétrico em uma ex empresa estatal privatizada na infame era FHC, óbvio, sou funcionários de uma empresa americana.

    Os diretores e gerentes da empresa onde trabalho querem é que o consumidor cada vez consuma mais energia para enviar os lucros aos investidores. Desta maneira faltam recursos para melhoria nas redes melhorando assim o atendimento ao consumidor. Sem falar que um técnico faz o serviço de 2 ou 3 técnicos sempre com a desculpa que é mais conhecimento que se adquire.

    Enfim, como podemos dar força para um projeto como este se nossos governantes estão naquela ladainha sobre o estado mínimo? Querem entregar tudo ao monopólio privado internacional para assim receberem mais financiamentos de campanha.

    Setores de energia e água têm q ser no mínimo de monopólio nacional, sendo que em minha opinião deveriam ser do estado, pois esse é um bem publico que gerenciem de maneira correta essas empresas se for o caso, ta tudo errado nesse país mesmo.

    • Lima

      Eeeeeeeeeeeeee

      Em que paíz você vive, sim, pois nãoa credito que esteja falando do Brasil governado pelo Lula. Falar de Estado mínimo no atual governo ou é ma´fé ou desinformação mesmo. A não ser que vc esteja se referindo a um possivel governo do Serra.

    • Marco

      “Estado mínimo” é um eufemismo para “faroeste”.

    • nilo walter

      Prezado Leonardo . Quem deseja retornar ao passado são os tucanos e seguidores. Basta ler o que escrevem e falam. Serra em MG, diante dos empresários defendeu as privatizações do período FHC e deseja prosseguir no desmanche do Estado. Dependerá de nós andarmos para adiante e não retroceder .

  • Arnaldo Requena

    Diversos comentários:

    1- Ninguém vai escalar um Poste de 18 ou 20 Mts., atráz de uma bateria “tipo de motocicleta” !
    2-A China se antecipou na criação de Fábricas de aerogeradores, porém os constroi para ela mesma, pois o próprio mundo não consome ainda estes equipamentos em quantidade suficiente.

    Conclusão:
    -Este tipo de iniciativa é denominado “INOVAÇÃO”.
    -Mesmo aproveitando-se de várias tecnologias existentes, inclusive algumas já em uso nas Estradas de Rodagem(tels. de emergência), CRIA-SE um Pacote Tecnológico Único.
    - INTEGRA-SE todas elas, e consegue-se este Resultado Atraentemente significativo.

    PARABÉNS senhor Fernandes Ximenes…o Brasil precisa de brasileiros corajosos e INOVADORES.

    Abraço,
    Arnaldo Requena

    • Marco

      “-Este tipo de iniciativa é denominado “INOVAÇÃO”.”

      Isso quando o autor é norte-americano e tem uma dezena de “y” e “w” no nome. Quando é de brasileiro denomina-se “maluquice”.

  • FernandoDN

    Olá PHA,

    Fico muito feliz deste querido blog estar tratando de temas como energias renováveis.

    Gostaria de compartilhar outra beleza da tecnologia brasileira: a MÁQUINA DE FAZER ÁGUA!

    Confira:

    http://www.youtube.com/watch?v=5VUYqkTXosc

    Grande abraço!

  • Tomas

    PH,

    falando em projetos avançados tem um projeto de internet banda-larga chamada redes Ad-HOC onde atraves de apenas 1 conexão ligado na internet e varios roteadores especificos podem passar sinal em um local maior, ou seja, se este sistema valesse no Brasil quebraria as empresas de internet….torço para que o governo ainda possa comprar briga com as operadoras e melhore ainda mais a vida do cidadao

    para saber mais do assunto:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Redes_ad_hoc

  • Souza

    Para que Belo Monte , entao ?????

  • Carlos

    Mas não foi o Serra que apresentou esse projeto quando ministro do Planejamento?

    • Radamés A. P. Silva

      A ideia do Fernando Ximenes foi graças ao Zé Biruta, pois ela surgiu no apagão de 2001, que foi “planejado” no processo de privatização do Setor Elétrico que foi implantado e martelado nos leilões pelo genial ministro do Planejamento em 1995/6.

    • nilo walter

      Apresentar é uma coisa , fazer é outra. Falta capacidade aos tucanos . E o caso deles é doação.

      PH, aproveite a deixa e faça uma reportagem na Record , aos moldes da Olímpiada Matemática que foi uma beleza .

  • Yuri

    Visitei a Canton Fair em Guangzhou, China, em 2007. Havia uns 3 ou 4 fabricantes de postes com LEDs e painéis solares. O que percebi é que o negócio era incipiente. E nenhum ainda com a simples mas ótima idéia de juntar a força dos ventos. Com a popularização e massificação da produção dos componentes necessários para a produção destes postes, a economia pode ser até maior. O que falta é incentivo do governo para tal. Parabéns ao engenheiro Ximenes!

  • Silva

    Parabéns ao Engº. Fernando

    O Ceará além de dar ao Brasil grandes humoristas e matemáticos, mostra que é um celeiro de técnicos e cientistas na área de exatas.

  • E viva a criatividade do povo brasileiro.

    Documentário – O Petróleo Tem Que Ser Nosso
    O documentário tenta responder a uma inquietante questão: Diante das gigantescas reservas do pré-sal, que caminho o Brasil vai tomar?
    http://baixandonafaixa.blogspot.com/2010/03/documentario-o-petroleo-tem-que-ser.html

  • dENNYs

    não tem incentivo do serra… não vai da r na globo…

  • Carlos Eduardo Luz

    ho.. borges de medeiros; só para completar, na china FHC significa Fim da Hera de Crescimento. KKKK.

  • Carlos Eduardo Luz

    oh…oh… borges de medeiros; é que a china não teve oito anos de FHC… é isso!!!!.

  • Tassiano

    Parabéns pela sua invenção cara, Acredito que o mundo mudara tendo mais pessoas como você, Não importa se outros paises são muito mais avançados que agente, O importante é mostramos que também somos capazes.

  • francisco affonso

    Não é que a miriam pigão no mau dia de hoje se travestiu de especialista em energia elétrica e do alto de sua sabedoria com expoente “menos infinito ´´,determinou para os embasbacados renato e renata:
    O Brasil precisa de energia ,mas não naquele local,pois se a vazão do rio diminuir a produção de energia diminui.
    Pigão embora não sendo sábio com você e não como tu,se o rio secar a produção vai zerar,morou ou quer mais ?

    • Marco

      Mas não é por isso que se constroem barragens? Alguém avise à urubóloga que isso é uma hidrelétrica, não uma roda d’água de fazenda!

  • Amores SP

    que horror !

  • Maxwell Barbosa Medeiros

    As companhias elétricas vão tentar se impor perante tal idéia(brilhante), pois elas adoram nos roubam nas taxas de iluminação pública.

  • Yacov

    FANTÁÁÁÁÁÀSTICO!!!! (sem trocadilhos) Outra grande invenção brasileira que pouca gente conhece é a BINA, fora os grandes avanços que tivemos em genética (embrapa), aviação (Embraer) e até energia nuclear. O brasileiro é um dos povos mais criativos e inteligentes do mundo, basta que tenhamos incentivo e os devidos estímulos e ninguém segura nós não mermão!!! BRASIL!!!!

    “O BRASIL NÂO PASSA NA GLOBO – O BRASIL PODE MUITO MAIS SEM OS PSDBobos”

  • Ed

    Ta venu?! Tá venu?!
    Cêis ficaum falanu mal do apagaum do FHC …

    A ídéia dele era incentivar a pesquisa e o desenvolvimento, só isso, hehe

  • Régis

    O primeiro carro movido a hidrogênio foi fabricado no Brasil (um fusquinha) foi feito por um professor da Universidade Federal do Ceará ainda nos anos 90… vou atrás das reportagens e mando para vocês.

    • Sílvio

      Prezado Régis, faz tempo que gostaria de encontrar essas reportagens sobre o fusca movido a água feito por esse professor. Eu vi essa reportagem há muito tempo, se eu não me engano foi na década de 80. Gostaria que vc me passasse esses sites que falam desse feito.
      Muito Obrigado.
      silvioattila@gmail.com

  • Jefferson

    Sou cearense e conheço o projeto, mas nao a fundo pra saber sobre a seguranca das baterias. Se a populacao ja rouba os cabos eletricos dentro da cidade, roubar baterias no meio do nada parece ser mais facil, que era pra onde esta se propondo o projeto.
    Governo tem que incentivar esses projeto e em pesquisa de aprimoramento destas tecnologias.

  • Carlos Siqueira

    O PIG não vai dar a notícia.
    Não foi feito na USP.

  • Airton

    O Brasil possui uma ampresa especializada na fabricação de equipamentos para geração de energia eólica, a TECSIS, de Sorocaba.
    Hoje, 100% de sua produção é exportada.

  • Pereira

    Isso é o Brasil dos brasileiros. Os entreguistas boicontam e não dão espaço, afinal precisal reinar como autenticos escracocratas!!! Viva a internet que escancara para o mundo, um grande brasileiro como sr. Ximenes!
    Vida longa sr Ximenes!!!

  • Arcelino

    Já falei aqui. Tá brincando com o Ceará? Falam que tem um cara em Fortaleza que tá construindo um satélite de comunicação de última geração na garagem da casa dele.

  • Denilson

    Esta noticia você nunca verá no PIG… À não ser que o TAsso Tenho Jatinho seja tratatado como autor do projeto…

  • Maravilha de povo que tem esses do tipo “cabeça-chata” da “gota serena”.
    Os recursos para o andamento disso e muito mais estão no PAC 2 e no PAC da C&T.
    Dilma 2.010

  • Carlos Borges de Medeiros

    Acho ótimo que se fale de energia eólica por aqui. Mas citar o parque eólico do Ceará como se fosse uma grande coisa é totalmente ridículo. 150MW????

    A China já possui mais de 25 Giga-Watts de turbinas eólicas instaladas, desenvolveu uma forte indústria produtora de turbinas, que exporta para todo o mundo.

    Enquanto isso, o governo quer enfiar bilhões de reais para construir uma usina hidro-elétrica que vai impactar absurdamente no meip-ambiente. A troco de que? Qual a vantagem competitiva que isso trará ao país, no futuro? Ou será que as vantagens são econômicas, mas pro bolso de alguns?

    O que se vê no Brasil é uma total falta de planejamento estratégico, de pensar no desenvolvimento como algo dinâmico e sistêmico.

    • Paulo

      Caro Medeiros,

      Comparar qualquer país com a China, que, por exemplo, constrói por ano (e todo ano) o equivalente a toda malha de metrô que São Paulo levou 40 anos para construir, é, no mínimo falta de conhecimento geográfico e geopolítico.

      A China desenvolve e imlpanta energia eólica desde 1985 e o Brasil só começou a levar isto a sério a partir de 2003.

      Dizer que Belo Monte é um desastre é, no mínimo de um cinismo atroz, pois desastre será a falta de energia que causará se não for contruída e os estudos de redução impactos ambientais já foram em grande parte planejados, vide o que passamos no governo passado: apagão e racionamento por quase um ano. Se estamos tentando construir antes do caos, isto se chama planejamento sim senhor.

      • Carlos Borges de Medeiros

        “Se estamos tentando construir antes do caos, isto se chama planejamento sim senhor.”

        Estamos quem, cara pálida? Você trabalha no governo? Bem que desconfiei que isso aqui estava infestado de gente advogando em causa própria…

        O que eu queria que o PHA, sempre tão bem informado, nos mostrasse, são os documentos oficiais que detalham a política industrial brasileira. Hoje no twitter a Dilma disse que há uma política industrial. Gostaria de saber qual é.

    • Souza

      Parabens Medeiros

      Comentario sensato e logico.

      Essa estoria de Belo monte apenas atrai as grandes construtoras que irao se locuteplar com o dinheiro publico.

      • Hélio

        Eólica e Solar são de custo altíssimo e tem vida útil
        relativamente curta(aprox//te 25 anos)

        Hidrelétrica ainda é a de custo mais baixo e sua vida útil é de 80 anos.

        Afinal, esse custo vai aparecer na ‘nossa’ conta de energia, certo!

    • nilo walter

      Prezado Medeiros. A China cresce aa dois dígitos já faz muito tempo . Na era FHC/Serra o crescimento ficava em 2% . O Luiz Carlos Mendonça de Barros, em texto na Folha, 17-04, escreveu que “” está muito preocupado com o crescimento do país chegar aa 7% . Justificou sua idiotice alegando que “” não estamos preparados”".Energia é necessária no crescimento, caso do Brasil atual, diferente do reinado FHC/Serra. Claro que V.Sa. não defende esta loucura tucana/dem etc . Podemos estar atrasados, mas começamos. Engraçado é que metiam o cacete no regime político da pátria de Confúcio . Olhe, a China aplicou a NEP ( Nova Política Econômica ), da antiga URSS, idéia do Lenin. Só que em tamanho dantesco . Para entender leia o livro – Fuga da História- Domenico Losurdo, Ed. Revan . E a hidrelétrica de Balbina/AM , não se transformou naquela catástrofe que falaram na época. Belo Monte, sim. Desenvolvimento ,sim. Geração de renda e empregos, sim . Abrs

      • Leandro Monteiro

        Caro Nilo! vc já esteve na Hidrelétrica de balbina, aquilo parece um cemitério de arvores e muito triste toda vez que vou de carro pra manaus passo pelo rio iatumã e uma cena muito triste tudo bem foi pelo desenvolvimento da cidade de manaus mais foi um erro tudo bem do ponto de vista que vc está olhando mais hoje tem novas tecnologias então sou a favor da energia solar um abraço posso te enviar varias fotos de balbina um paraiso pra quem gosta de pesca esportiva alias só tem tucunaré e piranha aniquilaram com todos os outros peixes que existiam lá

Deixe seu comentário...

"O Conversa Afiada não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas ou que excedam 15 linhas."

  •