Brasil

Você está aqui: Página Inicial / Brasil / Os hipócritas. Lista da Odebrecht… não vem ao caso!

Os hipócritas. Lista da Odebrecht… não vem ao caso!

​Se o Lula e a Dilma estivessem na lista, o Bonner divulgaria, numa boa!​
publicado 24/03/2016
bessinha vendo coisas

Trata-se de um caso rasteiro de hipocrisia.

Quando as “listas” ferravam o PT, a Dilma, o Lula e a Petrobras elas eram legítimas e mereciam indiscriminada divulgação.

Quando foi para ferrar a Dilma e o Lula, o Dr Moro soltou, rapidinho, os grampos criminosos – Lei de Segurança Nacional nele! - para a Globo…

Agora, o Marcelo Odebrecht deu uma sinuca de bico na Lava Jato.

Sinuca de bico, ou melhor, arremessou-lhe a pá de cal nas fuças.

Entregou todo mundo.

Aécios, Serras, Richas, Perillos e tucanos gordos.

Mas, não tem o Lula nem a Dilma.

Ah, não!

Essa lista não vem ao caso!

Como disse o Bonner, no jornal nacional: não vai divulgar NENHUM nome porque não sabe quem, de fato, cometeu irregularidades.

Quando era político ligado ao PT, o jn divulgava, numa boa, verificar se, de fato, cometeu irregularidade!

E dane-se!

Disse o Bonner: são mais de 200 nomes e não temos tempo para divulgar todos, porque não podemos divulgar uns e esquecer os outros.

Simples, divulgava o nome dos candidatos a Presidente – o Aecím de Liechenstein, o hepta-delatado.

E o Padim Pade Cerra, multi-candidato a Presidente.

Ficava só com os candidatos a Presidente, não é isso, amigo navegante!

Uns hipócritas!

Aí, vem o Moro, pressuroso – o Aragão está esperando ele na esquina! - e diz: não, não, me dá essa lista de volta!

Não pode ser divulgada, pelo amor de Deus!

Essa lista não vem ao caso!

E o Ministério Público, daqueles rapagões que falam direto no wi-fi de Deus.

Não, não vem ao caso!

Essa delação do Marcelo Odebrecht não vem ao saco.

Não queremos ouvi-lo.

Não nos interessa ouvir o Marcelo Odebrecht, Deus nos livre, ouvir ele pronunciar o nome santo do Padim Pade Cerra!

Jamais!

“A mais vil e pior gente do mundo são os hipócritas!”, diz o padre Vieira, que nenhum deles demonstra ter lido: o Moro, o Procurador que fala com Deus e o Bonner.

Paulo Henrique Amorim