Brasil

Você está aqui: Página Inicial / Brasil / AGU quer anulação do grampo de Lula e Dilma

AGU quer anulação do grampo de Lula e Dilma

"Divulgação de Moro fere soberania nacional"
publicado 21/03/2016
bessinha_globo-federaljpeg_phixr.jpg

No G1:

AGU pede ao STF que anule quebra de sigilo dos áudios de Lula e Dilma


Sérgio Moro divulgou gravação de conversa de Dilma com ex-presidente Lula.
Para José Eduardo Cardozo, divulgação do áudio fere 'soberania nacional'.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, entrou com duas ações no Supremo Tribunal Federal (STF) na noite desta segunda-feira (21) para pedir a anulação da decisão do juiz Sérgio Moro, do Paraná, que retirou o sigilo dos áudios interceptados na investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o governo, Moro não poderia ter agido dessa forma porque, por envolver a presidente, essa decisão sobre o fim do sigilo caberia à Suprema Corte.

Ainda segundo a AGU, Moro colocou em risco a soberania nacional e os atos dele apresentam "vício de incompetência absoluta", uma vez que só o Supremo poderia ter divulgado os áudios. E destacou que informações que "não tem a ver" com a investigação foram tornadas públicas.

"Assim, tomar a decisão de divulgar o conteúdo de conversas envolvendo a Presidenta da República coloca em risco a soberania nacional, em ofensa ao Estado democrático republicano. A interceptação é medida extrema que ofende direitos e garantias constitucionais, como a privacidade. Assim, ofende gravemente a ordem jurídico-constitucional divulgar o que não tem a ver com a interceptação ou a investigação", diz a AGU no pedido.

"Isso significa que a decisão de divulgar as conversas da Presidenta - ainda que encontradas fortuitamente na interceptação - não poderia ter sido prolatada em primeiro grau de jurisdição, por vício de incompetência absoluta", complementa.

Na avaliação da AGU, ainda que o alvo fosse Lula, que não tinha foro privilegiado, Moro tinha que ter enviado os áudios para o Supremo decidir o que fazer.

"Ocorre que entre os diálogos interceptados estavam conversas da presidente da República, no pleno exercício do seu mandato, o que implicaria, por força de norma constitucional, que a interceptação e sua respectiva divulgação fossem autorizadas somente pelo Supremo Tribunal Federal", diz trecho do pedido.

(...)