Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Publicado em 19/05/2010

O Brasil dos brancos é rico. Dos negros é muito, muito pobre

O programa Entrevista Record Atualidade que a Record News exibiu ontem mostrou uma entrevista com o professor Marcelo Paixão, do [...]

Prof Paixão: quando o Brasil terá os índices do Brasil só dos brancos ?



O programa Entrevista Record Atualidade que a Record News exibiu ontem mostrou uma entrevista com o professor Marcelo Paixão, do Instituto de Economia da UFRJ.

Ele mostrou alguns dados que deveriam dar muito orgulho aos brasileiros (da elite):

Os negros brasileiros vivem seis anos menos que os brancos.

O número de analfabetos negros é o dobro do número de brancos.

A renda dos negros é a metade da renda dos brancos.

Os negros ficam dois anos a menos na escola que os brancos.

Se desmontarmos os números do IDH, índice do desenvolvimento humano, da ONU, veremos que se o Brasil fosse só dos brancos (O SONHO DA ELITE BRASILEIRA …) ficaria na 40a. posição do IDH.

O Brasil está na 70a.

Mas, se fosse só de negros, seria um país pobre africano e ficaria na 104a. posição.

Não, nada disso, nós não somos racistas.

Tanto assim, demonstra o professor Paixão, que entre 2003 e 2009 foram libertados 40 mil brasileiros.

Isso mesmo, amigo navegante, “libertados”, ou seja, abandonaram a posição de escravos, porque viviam em fazendas sob o regime servil: não recebiam remuneração para poder pagar dívidas impagáveis.

Desses 40 mil escravos, 73,5% eram negros.

Ora direis, mas o Brasil é um país negro.

Sim, 50,5% da população é negra.

Mas, dos escravos, 73,5% são negros.

Não, amigo navegante, o professor Paixão exagera.

Não,  não somos um país racista.

A última coisa de que o Brasil precisa é de ações afirmativas, como, por exemplo, cotas para negros nas universidades.

Isso é recurso de país pobre, subdesenvolvido, como os Estados Unidos.

E viva a democracia racial do Brasil !

Viva !

Em tempo: para demonstrar que nós não somos racistas, recomendamos a leitura dos posts (EUA e Brasil se unem para combater o racismo. Ué, mas nós somos racistas ?,   Chuíça (*): PMs de Serra espancam motoboy até a morte na frente da mãe e Polícia de Serra é racista e quis matar motoboy. Por que ele não criou uma Sec. de Segurança em SP? ) que tratam da morte do motoboy negro Eduardo, dentro de um quartel da PM de SP, e da transformação em réus, por crime racismo, dos PMS de São Paulo que mataram Alexandre, um motoboy negro.

Viva o Brasil !

Paulo Henrique Amorim

Comentários

  • walter jose pereira filho

    Vamos a questão das cota.Na verdade o governo brasileiro nos deve uma reparação pelo que fizeram com a negritude durante o período escravista.A reparação não necessariamente deveria ser a questão das cotas.O governo não tem interesse em melhorar essa situação. É óbvio que o negro não pode e não deve se acomodar diante dessa situação.O que nós negros passamos principalmente em nosso país é vergonhoso.

  • fabio

    a questão é que deu-se a ´´liberdade“ao negro mas não os meios para ele desenvolver-se o pais esta nesse buraco social por culpa da elite desde outrora e pra mim a elite é burra pois se o negro,o índio tivessem condições reais de desenvolverem-se a coisa não seria assim.Temos mentes negras brilhantes mas que seu brilhantismo é ofuscado pela falta de apoio daqueles que poderiam faze-lo enfim.Para concluir isso nunca vai acabar pois o mundo é assim as pessoas são assim para nós que queremos alcançar a bondade devemos continuar perpetuado-a para que aqueles que procuram o oposto não destrua esse mundo.

  • Renato

    No Brasil o branco atura o preto Rico. Mas acha ele insuportavel.

  • Lia

    Imagino o quanto deve ser difícil a vida do negro nesse mundo tristemente racista, o que só denota o quanto atrasados espiritualmente ainda estamos.

  • Leandro Lucas

    Estados Unidos pobres e subdesenvolvidos??? Então nós somos o que??? E cada tolo que anda escrevendo!

  • Anita Lins

    Não é que 50% da população seja negra, aí se incluem 44,2% de mestiços (misturas várias, como branco e negro, negro e índio, branco e índio, japonês e brancos, caboclos e chinês, branco e caboclo e as mil outras misturas possíveis no país…). Negros autodeclarados no Brasil são 5,9%, dados de 2009 do IBGE. Pardo não é negro, nem branco nem índio… pardo é mistura com ou sem negros.

    • Cintia

      entao mulato, pardo essas denominações foram invenções portuguesas.
      Mulato vem de mula. A mula eh uma mistura sem identidade, é um cruzamento de dois bichos distintos e não serve para nada.
      Os portugueses associaram isso e deram a deniminação aos pretos miscigenados.
      Assim como o pardo, pardo vem de pardal! O pardal é uma ave ornamental. E os animais ornamentais, são os imigrantes, que entram em outro pais ameaçando e desregulando td cadeia alimentar local. Isso é oq aconteceu com o pardal. Daí foi feita mais uma associação aos pretos miscigenados…
      Logo, não creio que exista, mulato, pardo, criolo… Independente da mistura o mulato, o pardo.. é negro.

  • Jefferson

    Muito se falou dos negros que furaram o bloqueio e prosperaram como Ronaldo, Ronaldinho, Adriano etc, e que os mesmos deveriam ajudar os outros com instruções, educação etc. Bom primeiro de tudo o Brasil é o País mais racista do mundo e sempre escondeu a verdade de todos nós. A começar com o ministério da fazenda queimando em plena praça pública todo e qualquer tipo e documento que comprove a escravidão no Brasil, para não existir direitos a indenizações como foi em outros países. Nós precisamos entender que a escravidão nunca acabou e ainda existe! Mas agora o jogo é diferente e o plano não é mais corrente mas está na mente. Como um negro no Brasil pode ter mutuo reconhecimento e valorização de suas origens e valores para prosperar como imigrantes que enriqueceram. Se o negro não conhece suas origens e valores que foi queimado e o pouco que sobrou foi completamente distorcido para que seja feita a escravidão mental?

    Veja o Brasil é racista porque existe pessoas extremamente influentes no comando do País que querem que seja assim. Não é nada por acaso mas tudo muito bem articulado na mídia, no governo em tudo. Eles fazem de tudo para que os negros estejam sempre por baixo para não descobrir sua força. Porque o dia em que os negros descobrirem toda a verdade do holocausto que estão fazendo amigo, pode ter certeza eles tomarão o poder não só no Brasil, mas no mundo!

    • O triste de tudo que voce escreveu!
      Voce esta certissimo! Sou criola. Nao vivo no Brasil. Ultima vez que visitei, quase fui para a cadeia. Por que?
      Por que sou preta e nao aceito desaforo.
      O Brasil e muito racista! E os pretos, e qualquer pessoa qeu nao possa passar como branco, deve chegar a conclusao! Se voce nao e branco, mesmo tendo cara de indio, voce e preto para o mundo dos brancos.

  • vania

    O preconceito está dentro de nós, no dia que enxergamos a diferença como um ponto positivo em nossas vidas, vamos enriquecer nossos conhecimentos…

  • Boa tarde a todos e a todas, nação brasileira de fácil manipulação estrangeira. Somos ricos! Mais ficamos pobres com estas diferenças, é onde nos ganham todas as vezes que conquistamos um novo argumento difundido com os mais renomados especialistas que abrem a porta do enfrentamento e fecham a do diálogo. Marcelo Paixão é um especialista! Desta forma ele não esta falando para não negros e sim para os negros ligados, antenados, participativos e destemidos. Posso dizer que parei muitas vezes mais nunca desisti de estudar. E em todos os lugares tem “o” estudo do aprenda a obedecer para os negros(as), aprenda a pensar para os brancos(as) ou a nulidade desta oportunidade. Hoje e todos os dias vemos a precariedade da vida dos negros(as) e indígenas. É onde caros colegas esta o racismo no que você vai ser? Até nisto somos parecido queremos o melhor lugar e trabalhamos para isso. Mais acesso a justiça tem preço e os cartórios não trabalhão de graça! Quem tem mais acesso não vejo ninguém quer ser preso e é para o único lugar onde o negro tem vaga cativa junto com os empregos de garis as vagas estão abertas muitos de vocês já fizeram a inscrição!!

  • thiago

    Camila o nome, deixou muito bem colocado,
    O que aconteceu no Brasil eh comum em todos os paises do mundo, ateh mesmo na propria Africa ( Vide Africa do Sul). A grande maioria dos brasileiros sao misicigenados mas mediante as suas herancas geneticas predominantes, mais trabalho, suor, luta (e em muitos, falcatruas) galgaram posicoes e hj nao coincidentemente os descendentes de europeus, asiaticos e arabes fazem parte da maior parte da elite e da classe media.
    SEM EDUCACAO, BOA CULTURA E CURIOSIDADE NAO SE CHEGA A LUGAR ALGUM.

    Sou um cara realista, jah se passaram mais de um seculo desde que a escravidao foi extinta no pais, jah era pra estar dando resultado.

    • Nathalia

      Muito bem comentado o Brasil esta muito racista e isto naum `e bom pois um dia os negros podem estar no poder e o Brasil sofrera

    • ZELIA

      Não se preocupe meu caro Tiago veja a França, a Iglaterra os EUA, os morros do Rio de Janeiro, o Africanos no centro de Sao Paulo, jah esta dando resultado ou Não, espero que continuem assim AMÉM!!!, AMÉM!!!, AMEM!!!…

  • Camila

    Eu não sou racista, mas tenho duvido em algumas coisas, a pouco tempo li uma entrevista sobre um geneticista amaericano, que foi processado por racismo e absolvido por provar que quando falava que negros tinha qi abaixo dos brancos, se referia a estatiscas respeitadas. Esses dias estava em um encontro de cultura japonesa, ali pude ver que os japoneses chegavam sem nada, nada, nada, para trabalhar com verduras e legumes no brasil. Hoje aqui em Sp é praticamente impossivel ver um japones pobre, porque eles cresceram tantos????? Na feira, os velhos são produtores rurais, os filhos doutores. não consigo entender.Será que se existe tanta diferença exterior não poderá existir interiormente? Porque quase todos grandes inventos são de alemães ou paises praticamente amerelo. n sei n….

    • edson

      imigrantes são bem diferentes de escravos.Imigrantes mesmo em situação difícil ou de semiescravidão ainda não eram escravos,mesmo sofrendo por tudo que o governo impunha ainda sim ganharam terras para trabalho ou algum desenvolvimento.aliás terras que deveriam por direito ser dos ex-escravos.o governo brasileiro ou português nunca aceitou um pais miscigenado para poder compor uma nação.O termo Brasil somente pode ser considerado nação atrásvés do embranquecimento ou da vinda do imigrante.Primeiro os europeus e depois os asiáticos.

  • eu acho que o povo deve parar com isso pois isso ñ e coisa que se faça pois o brasil e o povo e livre graças a princesa isabel em 1850 fomos livres

    • A liberdade dos escravos nao tem nada ha ver com a bondade da Princesa Isabel, mas com a Revolucao Industrial. Quando maquinas provaram ser mais rapida, Iluminismo na Franca… Libertacao causada por pressao internacional faz com que paises como o Brasil seja forcado a mudar.

  • Felipe Galvão

    acho que o preconceito devia acabar totalmente
    essas pessoas só sabem falar que não tem preconceito, mas no fundo sempre se tem um pouco
    mas ainda bem que algumas não mentem, como é o meu caso
    acho que mais uma vez devemos fazer várias “campanhas” sobre o preconceito racial
    isso devia acabar mesmo total
    errado até demais
    deviam colocar um procurador público que fale sobre esse caso
    se existe para várias outras coisas
    deve existir para isso tabém
    então agradeceria se todos fizessem sua parte nesse “processo” que é muito importante para a nossa história
    por favor, agudem começando por esses politicos que se dizem ajudando o povo
    concordam comigo?????

    • valentina

      concordo totalmente com vc Felipe Galvão
      ah!!!
      se vc for o fiuk saiba que eu sou sua maior fã

    • Os negros que conseguiram furar o bloqueio e prosperar, devem ajudar os da sua raça, ministrando-lhes instrução, pregando o trabalho e a poupança.
      Com instrução e com dinheiro, a discriminação não nos atinge.

      • souza

        Temos varios atletas negros milionarios , Ronaldinho , Ronaldinho Gaucho , Pelé , Adriano e etc .
        Sera que eles poderiam participar mais para a promoção positiva no negro brasileiro .
        Alguns dão algumas cestas basicas e acham que já fizeram muito .
        Poderiam investir em faculdades para mais pobres , ajudar ongs que trabalham para incersão de negros em empregos com salários maiores .
        Será que algum deles já visitou ou já doou dinheiro para a educafro .
        Não podemos esquecer que os imigrantes cresceram e ficaram ricos no Brasil graças ao mutuo reconhecimento e valorização de suas origens e valores .
        O ponto de partida é não ter vergonha das suas raizes , mostrando isso na prática .

    • camilla

      cordarei sempre

  • [...] E leia aqui um resumo da entrevista que fiz na Record News com o professor Marcelo Paixão, que trata dos escravos negros no Brasil, HOJE. [...]

  • valmir

    eu fã 100% ou mais do site conversaafiada DISCORDO COMPLETAMENTE da opinião expressa a respeito do programa de quotas, pois o preconceito vigente no Brasil não é racial e sim social e a verdadeira raiz dele não é racial e sim a qualidade do ensino publico.
    Sou dito Branco (misturado de todas as raças como todo brasileiro) e não consigo entrar em uma universidade não pela cor mas por não ter tido estudado em colegios publicos sem bom ensino.
    Com toda admiração de fã que tenho por PELE e outros grandes icones negros (Agnaldo Timoteo,Ronaldinho e outros) quem é mais discriminado eles ou eu????
    E pq um (com todo o respeito) membro da raça negra pobre teria ajuda para entrar em uma universidade e eu da raça branca (por favor com todo o respeito) não o teria?
    Isto na verdade e uma manipulação da elite brasileira para não lutarmos por melhor qualidade de ensino,pois caso contrario estariamos tampando o sol com a peneira, pois pensaria eu – com toda admiração que possuo a qq brasileiro – que infelizmente não nasci negro.

    Vamos acordar para o que esta ocorrendo na essencia e lutarmos pela melhoria do ensino publico

    • valmir

      complemento do descrito acima – com todo o orgulho tambem sou pobre….

    • Luiz Augusto

      Valmir, acredito qem cada linha que escreveu, mas infelizmente a realidade das escolas públicas era bem diferente, pois as vagas destinadas aos cotistas somente permite que uma pequeníssima parcela tenah acesso.
      Basta dar uma pesquisada e verá que os cursos liitstas, como direito, medicina e engenharias, eram quase que completamente ocupados pelos filhos das classes mais altas e os emmos afortunados, ficavam à deriva ou tinham, mais recentemente, que finaciar os estudos nas particulares. Um contracensso, pois quem nunca pode estudar nas escolas particulares teve que estudar em faculdaes particulares!
      A discriminaçao é, em grande parte, social, mas para romper a barreira se faz, neste momento, alguma ajuda.

    • Cláudio

      Meu rei! o racismo não é pela condição social e sim pela cor da pele, gostaria ver você com este discurso sendo um negro, sendo discriminado diariamente, comparar você com Pelé, Ronaldinho… Fale a verdade? Você não leu a reportagem né? Viu o idh? será que da pra ver a dispariedade entre negros e brancos? Sou negro, sou contra as cotas do modo como estão colocando, sem uma política de desenvolvimento. Mas se você é contra as cotas me responda? o que foi a lei do boi? Procure na google depois discuta com embasamento!!
      Suceso guerreiro, você está no caminho…

      • gabriel

        O espertão, essa lei do boi é de 68, o cara ta falando de japoneses que vieram migrados desde o começo do século e nem produtos de gado eram.

  • [...] E leia aqui um resumo da entrevista que fiz na Record News com o professor Marcelo Paixão, que trata dos escravos negros no Brasil, HOJE. [...]

  • Ana Paula

    PH a Polícia Militar de São Paulo tem 54 coronéis, apenas um negro. UM.
    Coronel Admir Gervásio dos Reis é o novo Corregedor da PM paulista.
    54 coronéis, 53 brancos e UM NEGRO, em São Paulo onde 30% da população é composta por negros.
    São Paulo é a maior cidade de população negra, depois da Nigéria.
    UM.

  • Tiago

    O que poderia se esperar de um histórico de colonização como o nosso? Durante séculos no Brasil só se preocuparam em utilizar mão-de-obra escrava para extração das riquezas, que se escoavam na Europa enquanto que aqui se investia em que ? Universidades ? Não, senzalas! Quatro séculos jogados fora, no mínimo…a herança que ganhamos com essa “idéia brilhante” dos portugueses está aí nestes dados e principalmente nas ruas, ninguém precisa de estatística, basta andar na rua e conferir. Agora, triste herança é a perpetuação do racismo e essa idéia estúpida que vão resolver o problema com lei de cotas, quando na realidade só fazem escancarar ainda mais o pensamento racista quando fazem isso. Precisamos de vagas nas universidades para negros, brancos, mulatos, albinos, japoneses, assim como bons salários para todos, assim como direito e respeito para todos. Sem essa de lutar pelo direito de x ou y , vamos lutar pelos DIREITOS HUMANOS.

  • valmir

    discordo plenamente que o Brasil tenha preconceito racial

    O nosso país não tem preconceito racial e sim, preconceito social.

    Social pois os jovens, independente da cor, que estudam em colegios públicos – com raríssimas exceções – tem uma péssima qualidade de ensino.

    Jovens que não tem dinheiro, não podem fazer faculdade pública integral – pois tem que trabalhar e o governo não disponibiliza bolsa para eles – e pior mestrado e doutorado.

    Jovens que não tem dinheiro para deixar o ingles fluente, para se especializar em uma área em crescimento, e nem temos dinheiro para fazermos uma experiencia internacional valorizada nos dias de hoje

    somos até descriminados pelo local que vivemos – ou por ser uma comunidade – que o carteiro infelizmente as vezes não tem segurança de entrar – ou por morar longe e gastar altas quantias com passagem.

    Todos os fatores não tem haver com a cor e sim com a classe social

    Sou dito Branco (mestiço de todas as raças como todo Brasileiro), e sinto na pele todo o preconceito que dizem ser apenas dos negros, e AFIRMO COM TODAS AS LETRAS – O Brasil não tem PRECONCEITO RACIAL ; O BRASIL TEM PRECONCEITO SOCIAL – que diga PELÉ e outros gênios da raça negra – dos quais sou fã inveterado- o preconceito não chega a eles –

    Assim o preconceito, independente da cor, só chega a pessoas de classe social baixa COMO EU – Vamos abrir a mente e olhar a realidade.

  • Valdete Lima

    Meu caro Professor Paixão, esta é a discussão que não pode acabar. Nós, negros temos que introjetar agora, nos brancos, o que eles fizeram conosco em 500 anos. Seus cabelos são lisos, então bonitos. Seus narizes, aquilinos, então, belos. E os nossos, vocês(eles) dizem que são duros e feios. Porque não entedem que raças têm DNA e são do jeito que herdaram. Somos negros com as nossas características, assim como vocês, as suas. Agora, em questão de oportunidade, vocês dominam a opinião pública. Alguns dos meus antepassados, absorveram a sua assertiva de que eu era feia, tinha cabelo duro, nariz de fornalha. E aí, gerou toda uma consciência de que éramos inferiores. Mas, não eu. Brigo o tempo todo. Moro em Nova Iorque e vi o maior movimento cibernético da campanha do Obama. Quero que, com esta oportunidade de PA neste blog, bombeie a demanda pelas cotas. Vamos explicar: a favela da Rocinha sempre foi chamada de aeroporto de pau-de-arara. Ou seja, brancos em abundância moram lá. São pobres que precisam de escolaridade. Mas a proposição é diferente. Na hora de os shoppings, lojas e que tais darem emprego, os brancos favelados têm prioridade. E os grandes percentuais de negros residentes? Por isso cotas!!!!

    • INDIGNADO

      Muito bem, Valdete Lima, sou de Salvador e aqui mesmo já falei sobre isso, aqueles que são contra as cotas vêm com este argumento de que todos têm que ter a mesma chance,brancos e negros pobres,mas esquecem que o sistema de cotas é uma reparação social.Aqui em Salvador maior cidade negra fora da Africa é um absurdo,quando surge uma vaga de emprego, a prioridade ,quase, se não for sempre,vai ser do branco,independente se for pobre ou rico,se você um dia visitar Salvador, vai notar que em bancos,shoppings, grandes lojas de departamentos e outros,o negro vai sempre ocupar um cargo secundário, na maioria, quem sempre ocupará um cargo mais importante, será um branco,e o pior, mesmo que não tenha tanta competência, os nossos representantes políticos (governador,prefeito,deputados) você pode reparar 99% são brancos. O sistema é tão perverso, que passa a impressão de que negro não vota em negro. Precisamos mudar de uma vez esta situação.

  • Não Somos Racistas

    Denúncia da Promotoria: os Pms a pretexto de abordagem policial de rotina, agrediram violentamente a vitima Alexandre Menezas Santos mediante golpes de socos, pontapés e outros meios de tortura que infligiram a vítima desnecessário sofrimento físico, provocando-lhes as lesões que resultaram em sua morte.”
    “Não se tem notícia de que abordagem semelhante se faça por policiais no J Europa com aquele que eventualmente trafegue em uma Lamborghini sem placas. A ação além de desastrosa, foi movida indesculpavelmente por preconceito racial e social.” site uol.
    É mais que tragédia, a mãe que não conseguiu com seus pedido de clemênci livrar o filhos das torturas, e enterra o filho torturado, espancado e morto no dia das mães.
    Basta de chacinas, grupos de extermínios, incendios ,ódio racial, balas perdidas, abordagens humilhantes e desrepeitosas. Basta ao racismo.Basta.

  • Não Somos Racistas

    Não somos racistas: Matamos inocente na frente da mãe por asfixia, a chutes e socos: O Instituto de Criminalística da Polícia Civil de São Paulo, atestou que, o cidadão brasileiro, trabalhador negro, Alexandre Menezes Santos, com 25 anos, pai de uma criança de 5 anos, foi assassinado por “asfixia mecãnica por constrição cervical. Atestaram também várias escoriações, principalmente no rosto e no pescoço.”Os promotores Mauricio Antonio Ribeiro Lopes e Marcelo Rovere, informaram que Alexandre foi espancado pelos quatro, PMs, e acabou morrendo por causa de uma “gravata” dada por um dos agressores quando ele recebia socos e pontapés”.
    Alexandre foi torturado na frente de sua mãe. Sangrou e morreu na frente de sua mãe, que enterrou o filho no dia das mês.
    É desumano demais, é cruel demais. É ódio racial, a unica explicação para tortura, violência e desumanidade, em descumprimento à ordem e a lei, diante da mãe que pedia chorando e gritando clemência ao filho.
    Só de imaginar a cena, dói o coração, a alma e as lágrimas rolam. O jovem Alexandre voltava de seu trabalho.É mais que injustiça é terror, horror.

  • Narciso

    Valeu Gutemberg. O ser humano demonstra a sabedoria que os livros lhe proporcionam, quando aprende e apreende a realidade e torna-se um ser humano melhor, e solidário.
    O saber não torna um homem justo, mas sim a qualidade de não tentar projetar-se sobre as outras pessoas, ser humilde é uma virtude que nos fortalece.

  • gutemberg

    Parabéns Narciso, pessoas com o pensamento igual ao do Leonardo não devem ser levadas a sério, seja de que lado estiver. Não é por que ele conseguiu de alguma forma passar por obstáculos e chegar aonde ele chegou que deve ficar parado esperando que os outros consigam também.Com certeza nesse país ele teve na verdade foi muita sorte, observe como ele sente prazer em dizer que “neste momento tem uma diarista branca limpando a minha casa” passa a impressão que o combustível que o ajudou a chegar lá foi uma espécie de vingança. Leonardo,vc que conseguiu chegar lá ao invés de ficar inerte olhando os seus na batalha, deveria seguir o exemplo de outros que não dá o peixe, mas pelo menos ensina-os a pescar, pare e reflita antes de falar bobagens.

    • Baruch Ramses

      Mas será que basta estudar, ter um curso superior com pós, tipo mestrado ou doutorado, passar em um concurso público federal para que a pessoa não seja mais vitima de preconceito pela sua cor? Leonardo não sabe ou finge que não sabe o que é discriminação racial.

  • fabio idalino

    O problema da nossa classes dominantes e mestiças é que não gostam de dividir os seus privilégios com aqueles excluídos pela história.Somente lembram do negro para ser empregados,no futebol e no carnaval.Depois disso volta tudo ao normal.
    Cotas ja!!!!

  • marianne

    correção: o brasil dos negros racionais e sensatos é rico. o dos que seguem as orientações da esquerda progressista/socialista e continuam agindo como se estivessem na savana africana (poligamia), para terem “identidade”, é pobre, muito pobre.

  • M. Cristina

    Uma visitinha ao Museuafro Brasil no Parque Ibirapuera, para conhecimento de parte da história, e revisão de estereótipos, está registrada obras e fotos dos pintores negros do período de 1800. O jurista Luis Gama, engenheiro Teodoro Sampaio, engenheiro André Rebouças, Arcebispo de Mariana Dom Silvério Gomes Pimenta, escritor Lima Barreto, escultor Antonio Francisco Lisboa, o cenógrafo e desenhiosta Crispim do Amaral, médico Juliano Moreira, o poeta simbolista (unico do Brasil) Cruz e Souza,jurista Tobias Barreto, fisófos Tito livio de Castro e Farias Brito, a poetisa Auta de Souza, marinheiro negro lider da Revolta da Chibata João Cândido, o jornalista José do Patrocínio e centenas de outros homens e mulheres negros que viveram no período da escravização da população negra, os negros haussás que lideraram a Revolta do Malê na Bahia, a visita irá aprovar que não eram 100% de analfabetos os negros que foram escravizados.

  • Roberto

    Um dia levando minha filha e a vizinha para o colegio particular. Perguntei a vizinha como estavam os preparativos para o vestibular. E ela falou que estava dificil, criticando as cotas para os negros. Ela achava injusto. Entao a perguntei. Quantos negros tem na sua sala? Ela disse, nenhum. Perguntei, Quantos tem no colegio? Ela disse, dois ou tres. Perguntei, aonde esta a injustiça? Ela disse, e verdade, estava sendo egoista. Ela passou para uma Faculdade Federal para cadeira de Relações Internacionais 28 por vaga.

  • Narciso

    Imaginem se Paulo Henrique Amorim utilizasse o discurso do “Eu sou jornalista famosos, venci e não quero saber de debates sobre questões sociais”.
    Paulo Henrique é um dos maiores jornalista do Brasil e do mundo, o de maior numero de seguidores em seu blog.
    O debate no CA sobre a população negra, não trata de individualidades. Quem conseguiu transpor a barreira do racismo, muito bom, com certeza absoluta não é discriminado. Certeza que não.
    O Presidente Barack Obama e sua linda esposa Michelle Obama, poderiam fazer o discurso “Eu” sou um sucesso, venci, mas além de seu sucesso, o hoje preesidente e a esposa, conseguem enxergar sua comunidade , o país e o mundo. Ele venceu, e utiliza seu conhecimento e poder para servir ao próximo, é questão de solidariedade e partilhamento.
    Um dia mulheres e homens se orgulharão e serão avaliados por seu humanismo, por sua dignidade, honra e não pelo padrão de enriquecimento ou sucesso profissional.

  • antonio carlos coelho

    Ah tem coisa que o negro tem o dobro do branco exemplo (!)
    Sambista, pele forte, sangue grosso etc.

  • Maria de Fátima

    Caro PHA,em matéria do dia 14/05/2010 no jornal Correio de Uberlãndia Walace Torres sob o título de “Oxalá amén’ nos informa que “Participantes do Fórum de Igualdade Racial realizado dia 13.05 que integram movimentos religiosos de matriz africana reclamaram da postura de alguns vereadores evangélicos que deixaram o plenário durante o debate sobre a intolerância religiosa……”A saída não passou despercebida pelos religiosos de matriz africana.”infelizmente ,a intolerância aqui no Brasil também perpassa pelo poder .

  • Leonardo A. Souza

    “40 mil escravos 73,5% eram negros” … antigamente eram 100%.

    “A renda dos negros é menor que a dos brancos” … antigamente os negros nem tinham renda.

    “O nº de analfabetos negros é maior que o de brancos” … antigamento todos os negros eram analfabetos.

    Eu sou negro, já fui discriminado mas fiz curso superior, pós graduação, sou servidor público federal aprovado em concurso e nesse momento tem uma diarista branca limpando minha casa.

    Não vamos esperar que nos deem vantagens, cotas ou o que for, vamos buscar nossa afirmação como brasileiros.

    • Bene

      “Eu sou negro, já fui discriminado mas fiz curso superior, pós graduação, sou servidor público federal aprovado em concurso e nesse momento tem uma diarista branca limpando minha casa.”

      Hoje vc. tem certeza que não é mais discriminado? Está brincando! Me engana que eu gosto. Você lê pela cartilha do DEM PSDB.

  • jbmartins

    Por isto sou a favor de cotas para Negros, Indios e etc…sim, a Elite Branca desse Brasil sempre dominou e não quer perder o “status” de dominante, temos que ter leis que facilitam e deem vida digna a este povo sofrido.

    • Educacao e para todos! Concordo com as cotas no momento. No futuro, o bom sera quando todos possam ter oportunidade de boa educacao.
      Atendi escola publica ate o segundo grau. Sempre estudei! Sempre li tudo que podia. Ate hoje eu busco a aprender.
      Conhecimento e poder!

  • M. Cristina

    PH parabéns pela entrevista ao Presidente do Sindicato dos Motoboys.

  • Construção Social

    Biologicamente não existem raças, a construção é social.
    Disponível na internet “Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia”, do prof. Kabengele Munanga

    • Roberto

      Caro “Construção Social”, o termo “sub-espécie” (conceito biológico) não parece agregar, nesta discussão. Outro detalhe, biologicamente, não existe “construção social” entre as espécies que forma sociedades, mas divisão de função. Não confundir sociedade, com colônias e grupos familiares. Nos destacamos dos demais seres sociais, pela nossa cultura (que evolui constantemente), mas isto é outro assunto.

  • Silvio Silva de Almeida Batista

    gostaria de saber porque chamam os brasileiros negros de afro-descentendes e não chamam os brancos brasileiros de euro-descendentes, como afro-descendentes, fica parecendo que somos imigrantes e não simplismente brasileiro.

  • Paulo Achilles

    PHA e leitores deste valoroso blog escutem esta entrevista do REItor Rodas da USP
    http://radiobandeirantes.com.br/notas.asp?ID=300461
    Nos últimos dias, Rodas tem aparecido em diversos meios de comunicação falando barbaridades contra o Sintusp
    e os trabalhadores, espalhando calúnias e discriminação. Falou que a USP é “terra de ninguém”, que contratamos
    mercenários para engrossar nossas mobilizações, comparou a universidade aos morros cariocas e disse que
    logo mais a USP será o Haiti. Rodas, que se calou durante a 1º reunião de negociação, agora lança um amontoado
    de preconceitos contra os negros e pobres das periferias do país e coloca nosso sindicato no mesmo nível dos
    traficantes e das milícias.

  • Cláudio

    Recomendo a todos a leitura do artigo “Somos racistas”, de Leandro Fortes, em

    http://www.cartacapital.com.br/app/coluna.jsp?a=2&a2=5&i=4797

    Destaco uma frase do autor: “Só um idiota não percebe a diferença entre ser pobre branco e pobre negro no Brasil”.

  • A Concentração de Renda

    Há uma música de Mano Brown que diz sobre a situação de exclusão dos negros:”Sobrevivendo no Inferno”.
    São gerações de pais, filhos que morreram sem terem sua dignidade respeitada, já não é mais possível debater se o racismo existe ou não é questão de ter boa vonta de enxergar a realidade.
    Para quem se insurge, contra o direito de lutar por seus direitos da população negra: A condição de pobreza de quem se autodeclara, não pode impedir que a população negra lute por liberdade com igualdade.
    Pobreza: A Constituição de 1988, contempla mecanismos que asseguram que os grupos sociais da sociedade brasileira lutem por seus direitos.
    O grande problema é que o país não distribui renda, a riqueza é o grande problema porque ela concentra e usufrue privilégios e distinções e não possibilita a igualdade e o desenvolvifmentos de grupos vulneráveis.Poucos concentram a renda e a maioria nada tem, aumantando a desigualdade.
    Não é contra a população negra que os não brancos pobres devem contestar. Contestem os que concentram e acumulam riqueza.

  • Gutemberg

    Precisamos assumir de vez que a sociedade brasileira é racista sim, só à partir daí é que teremos a razão para podermos mudar de vez esta realidade que tanto nos constrange.

  • Gutemberg

    A sociedade brasileira que não é racista só pensa no negro,quando precisa de escravos em suas novelas,ou no papel de bonzinho idiota,no carnaval com as mulatas (toda a sociedade é contra a exploração e exposição das mulheres,parece que só as negras eles liberam para desfilarem quase nuas,até outro dia independente da idade),do jogador de futebol e das empregadas domésticas,alvos favoritos dos filhinhos de papai.Por que será que eles são contra o sistema de cotas nas universidades???Abram os olhos.

  • Gutemberg

    É incrível!! não entra na cabeça de algumas pessoas,que o sistema de cotas e para fazer uma reparação, não que isso seja a solução,se esperarmos pela boa vontade da elite nós vamos estar sempre com defasagem como eles querem. Outra coisa,alguns aqui falam que negros e brancos pobres estão no mesmo barco,porém na dividida entre um negro pobre e um branco pobre, quem será que a maioria dos empresários contratariam? Aqui em Salvador é um escândalo, a 2º cidade negra fora da África, e quando você chega nos shoping centers e grandes lojas e empresas quem você vai ver na linha de frente? Brancos,que vc não sabe de onde saiu,você entra em determinados lugares que parece a europa de tanta gente branca.Agora dê uma olha na cozinha,jovens negros, capazes formados ou universitários.Portanto vamos parar de tentar cobrir o sol com a peneira,devemos sim aproveitar o sistema de cotas e todas as oportunidades dada por este governo em quanto é tempo, pois assim poderemos garantir para os nossos filhos uma outra condição de vida,melhor e de igual para igual.

  • Diego Cardoso (SP)

    Na semana passada, voltei de uma viagem ao Rio num domingo à tarde com um amigo negro e, nenhuma surpresa, ele era o único negro a bordo do avião da Gol.

    Nem mesmo entre os pilotos e comissários de bordo havia um negro. Daí você pensa: “Metade do brasil é negra. Isso é mera coincidência?”.

    Só não vê que o Brasil é racista quem não quer…

  • fabio nidalino

    As politicas de cotas,serve também para falarmos-nos do racismo,fato esse que sempre faziamos silêncio.Quando digo debate não é para ¨dedura¨para dizer quem é racista ou não,mas,sim reconhecer que somos um povo racista ou preconceituoso.Argumentar que somos mestiços não fez os valores da igualdade.quem é contra as cotas talvez acha que o país está muito bom assim,como o povo negro sendo exterminado e vivendo nas piores condiçoes sociais.

  • AP

    PH porque o ilustre Professor Marcelo Paixão inquestionavelmente um profissional com mérito e competência, não teve a oportunidade de ser indicado/nomeado Ministro do Planejamento, ou Secretário de Planejamento do Rio de Janeiro?
    Não Somos Racistas.As oportunidades são iguais.!!!!!!!!!!!!

  • Debate no CA

    PH corajosamente deu voz e rosto aos invisíveis. O debate é a farsa da abolição, a exploração de 350 anos de trabalho escravo. O debate é a história do povo negro, injustiça, opressão, violência e exclusão.
    O debate é o art. 3º da Constituição Federal.
    O debate é o desrespeito a cidadania negra.
    O debate é como viem os negros num quadro cruel, desumano, e que enfrenta resistência ao direito de ter direitos.
    O debate são os dois Brasis que o racismo mantém, o debate é o respeito ao próximo.
    Porque ninguém questiona que o negro sendo pobre tem carga tributária maior que a dos brancos?

  • Hudson

    Não sei porque batemos na tecla “raça”, pois não existe raça na espécie humana existe grupos étnicos.

  • Mateus de Campos

    E Devido estas provas que sou a favor das cotas nas universidades, para estudante de escola pública, afro-descentendes, necessidades especiais.

  • Ana

    As dúvidas, questionamentos ocorrem porque não se aprendeu em 510 anos de “descobrimento” do Brasil a história do povo negro, a escravização, sua contribuição na construção do país, e a negação de sua cidadania.
    Massacres e opressão.
    Quem não estudou a verdadeira história do Brasil, não entende os problemas sociais que seguem paralelo ao desenvolvimento.
    O debate está público, quando um blog importante como o CA, traz o debate é porque a luta por justiça social é de toda a sociedade, é um questão de justiça, reparação, paz e humanidade.

  • M.Cristina

    Os negros pobres tem carga tributária mais elevada.
    O 13 de maio significou a maior dispensa coletiva de trabalhadores, sem justa indenização.
    Os negros foram impedidos pelo decreto de 1854 de aprender a ler e escrever, com este decreto o grupo de poder encurralou a população negra nos porões da sociedade.Lei da Terra: A partir desta lei era proibido ocupar terras no Brasil.Para ter terra teria que comprá-la do governo.
    Os negros não tem respeitada sua cidadania, não são cidadãos iguais, as oportunidades não são iguais, não há o que comparar.A regra/projeto de exclusão e dominação social são “claras”.
    Disponível na Internet “7 Atos Oficiais” que decretaram a marginalização do povo negro.
    Não há o que se compare com a história do povo negro.

  • GRAÇA SANTOS

    Pois é PHA,
    como lemos alguns comentários aqui, até fica parecendo
    que o autor do “Não somos racistas”o Ali Kamel, que
    todos aqui criticam, tem razão. O comentário de um leitor, pedindo para parar de inventar é demais. O racismo no Brasil, não altera porque muitos de recusam a reconhecer o obvio.

  • mucio

    Branco pobre não tem direitos? Classificar pessoas pela cor da pele é que é racismo. Cotas sociais sim, pois atingirão a todos os SERES HUMANOS menos favorecidos economica e financeiramente. Coloquemos na CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA pobreza é atentado aos direitos humanos, e trabalhemos para extirpar essa monstruosidade. Cotas raciais é institucionalizar o racismo. SOU MESTIÇO.

  • Ver, refletir e agir

    Disponível no You Tube o documentário da professora Jane Elliott , socióloga estadunidense “Blue Eyes, Brown Eyes”.

  • Ver, refletir e agir

    Quem tiver dúvidas do crime contra a humanidade – escravização de seres humanos no Brasil, por 350 anos, e a formação da mentalidade escravocrata que foi forjada no período, deve ler atentamente a pesquisa do professor Marcelo Paixão, por duas vezes.
    É preciso ler, sentir e refletir.
    O trabalho do ilustre Professor como vive a população negra vítima do racismo e da violencia que significa as diferenças sociais, lembra o documentário da Professora Jane Elliott “The Eyes os Storm” – Os olhos da Tempestade, onde ela mostra sem qualquer constrangimento as injustiças e hipocrisias cometidas ao longo de décadas e que se refere também a qualquer nação do MUNDO.Toda a lógica de seu depoimento causa certa apreensão para questões até então esquecidas ou ignoradas.Até para aqueles com um mínimo de sensibilidade, não há como não se emocionar com seus relatos de intolerância, perseguição e, superação e talvez até se identificar com seus próprios conceitos.

  • Ana

    A pesquisa do Professor Marcelo Paixão explícita as consequências do racismo “intocável” mantido pela “elite” branca que gerou diferenças sociais e raciais, é um quadro vergonhoso, pela realidade dantesca.
    O navio “tumbeiro” segue com sua carga.

  • valdeci elias

    Miséria e Racismo são coisas diferentes. O Brasil é um pais de miseraveis, e agora estão querendo legalizar o racismo. Hoje estão sepanrando vagas na faculdade pela cor da pele, amanhã vão ser os lugares nos onibus, nas praias e piscinas. Quanto menos se esperar o Brasil vai ter o seu Aphartheid. O racismo não é exclusividade do branco, o negro tambem pode ser racista, e defender ideias racistas.

    • Maria Libia Faria Spina

      Provavelmente vc é daquelas pessoas que estão de acordo com as 3 estudantes que estavam fazendo o curso de medicina, pago pelo governo federal, e cujos pais fazem parte da diretoria da mesma faculdade, no interior do Paraná. Isso vc acha direito, tal como na USP, cujos cursos são frequentados pela nata da sociedade paulista, mas sua manutenção é sustentada pelos impostos que eu pago e de todos os favelados das mais de mil favelas em são paulo. A exposição de carros importados,na USP, é um verdadeiro tapa na cara. Se é mentira o que o Professor disse, mostre com fatos a realidade. Em tempo, um articulista da veja perguntou,uma vez, porque não havia negro nas orquestras sinfônicas no Brasil? É porque o negro não gosta de música.

  • precisamos de aumentar consideravelmente o numero de representantes negros na Politica brasileira, com cotas tambem!

  • Até quando o racismo brasileiro será tratado com a maquiagem do preconceito de classe? O pobre sofre preconceito no Brasil. O negro pobre sofre duplamente.

    Não era dos pobres que se media cérebro, no início do século XX, para provar supostas tendências ao crime e inferioridade intelectual…

    As teorias de pureza racial (darwinismo social) surgiram antes nas américas (México, Brasil, Argentina) do que na Alemanha de Hitler, que fique bem claro…
    e nunca passamos por um sério exame de consciência.

  • Julio Silveira

    Eu quebro a argumentação de muitos defensores da nação sem preconceito dizendo para contarem os sem teto em relação a cor.
    irão ver que 90% são de negros.

  • Rosilene Andrade

    ROMANELLI, você está malinformado, colega.
    O problema é de reparação histórica, sim.
    Eu não escravizei ninguém, mas faço parte de uma nação que tem uma dívida para com os nossos irmãos que foram escravizados, então, a dívida é minha também.

    Vejamos:
    - Muito da riqueza do Brasil foi construída grandemente pelos negros escravizados, e o que eles receberam com a abolição? Apenas a exclusão. Sem direito a reparação, terra, bens ou qualquer outra coisa que se possa imaginar.
    - O mesmo escravizador achou que tinha o direito de jogá-lo sob o tapete, como se fosse um lixo a ser esquecido
    -O intuíto do escravizador era branquear a sociedade. Os outrora escravizados não estavam nos seus planos de futuro do país.
    -Durante DÉCADAS depois da abolição os escravizados foram impedidos de se aproximar de um banco de escola. A educação era PROIBIDA para eles.

    AÍ ESTÁ: não estou lhe mostrando apenas UM negro impedido de estudar, estou lhe mostrando MUITOS.. TANTOS…

    Além de lhes terem arrancado a liberdade, ainda QUERIAM lhes arrancavam o direito à cidadania e até o direito de existir…

  • rocker

    Algumas observações:

    1) O Brasil dos brancos não é rico coisa alguma. Se todos nós negros fossemos exterminados do país, ainda assim, o Brasil não seria 1º mundo. o idh dos brancos coloca o Brasil numa posíção de paridade com países do leste europeu, o que acredito não seja a melhor das referências para um país com as potencialidades do Brasil.

    2)O idh dos negros é praticamante empatado com o do Gabão, que é o melhor idh da África negra. Os demais países todos tem idh inferiores ao nosso. Tá longe de ser grande coisa, tampouco motivo de orgulho, mas mostra que o Brasil tá longe de ser o pior país para a gente, por incrível que possa parecer.

    3) Além do mais, apesar das dificuldades, do pig, da elite branca e racista, nossa vida melhora a cada dia, passo a passo, não na velocidade que eu considere ideal, mas a um ritmo que permite, comparando com uns 20 anos atrás, ver uma sensível melhoria.

    Enfim, acho que as perspectivas de futuro são positivas, ao menos enquanto a direita estiver longe do poder.

  • Rosilene Andrade

    Muitos dizem que a miséria é a mesma para o branco e para o negro, mas esquecem de ver o que os números PROVAM.
    A vida do negro brasileiro é MUITO mais difícil do que para o branco. O NEGRO POBRE É DUPLAMENTE MARCADO.
    Os afrodescendentes são METADE da população brasileira e quantos negros você vê na televisão, como apresentadores ou protagonistas de novela?
    Quantos negros você vê na chefia de uma empresa?
    Será que o negro é incompetente? Claro que não. Então, qual a explicação.
    Há alguns anos, conversando com o sub-gerente de meu local de trabalho, perguntei porque um colega negro muito sério e preparado na nossa área nunca havia recebido uma promoção.
    Ele demonstrou um certo desconforto e me disse baixinho:
    olha, a empresa não quer negros na chefia…mas deixa isso pra lá…
    E será que vamos continuar deixando ISTO pra lá?

    A NEGAÇÃO DO PRECONCEITO É O PRIMEIRO IMPECÍLIO PARA QUALQUER TIPO DE MEDIDA CONTRA ELE…

  • Armando do Prado

    E os sinhôzinhos da Paulista, Oscar Freire e regiões parecidas, continuam tratando os negros como se escravos fossem, e mais: para essa elite branca separatista e predadora, o Brasil continua sendo uma colônia, apenas que a capital não é Lisboa, mas S. Paulo, mais precisamente, os bairros do Morumbi e Jardins.

  • Romanelli

    ..o problema parece, mas não esta na cara ..NÃO se trata de racismo, mas de doença sócio-econômica ..claro que precisamos quebrar do circulo, mas sem mentir ou manipular
    .
    Apontem UM SÓ NEGRO que foi proibido ou expulso dum banco escolar que eu paro de falar !
    .
    NÃO INVENTA ..nosso problema esta no círculo da miséria ..e assim deve ser encarado, diagnósticado e TRATADO
    .
    ..quem não tem curso primário, não pode reclamar de não ganhar..
    .
    sem réguas nem eugenias ..por um país mais igualitário, atendendo A TODOS os necessitados ..pelas reservas de cotas sociais ..pelo direito e incentivo ao estudo ..ao ORGULHO e a dignidade na conquista
    .
    chega de jogar nas costas de inocentes vivos os pecados de CULPADOS mortos ..NÃO há reparos históricos ..a coisa não foi tão simples e nem linear como querem fazer-nos pensar

    • Sr. Romannelli, basta que leia a história para se inteirar que os negros não apenas foram espulsos, como também foram impedidos de frequentar escola, de ter emprego assalariado (era reservado para os imigrantes europeus de zóio azuis, seus antepassados), de ter moradia digna(daí que surgiu os mocambos, favelas). Esta foi a paga que os escravocratas deram aos negros por 350 anos trabalho escravo. Pergunto: Qual povo consegue suplantar tamanha injustiça senão com uma política de reparação justa? E você ainda vem nos falar asneiras!

      • Romanelli

        cobre dos escravocratas meu amigo ..mas não do vizinho POBRE e miserável, branquinho, que tens ao teu lado ..esse é tão vítima quanto um outro qualquer
        .
        a verdadeira reparação, o verdadeiro resgate brasileiro tem que ser tipo o BOLSA FAMÍLIA, universal a quem precisa, independente de côr ou credo ..o resgate de POBRES e necessitados

        • Romaneli, tens uma bolsa família, agora vá estudar história para saber quem foi Prudente de Morais, Senador Vergueiro, Saldanha Marinho, Barão de Piracicaba, Barão de Serra Negra e tantos outros que lutaram para embranquecer o Brasil mediante exclusão do negro na sociedade. Quer um exemplo?
          O Sr. Luiz VAicente de Souza Queirós, filho do Barão de Limeira, se vangloriava de nunca ter usado mão de obra escrava nas suas fazendas. Também não tinha nenhum negro trabalhando para ele, nem de forma gratuita, tampouco assalariada.

    • Pelo sobrenome já sabemos que é descendente da pátria que nos trouxe a pizza, a ópera, o cortiço (sim, uma tese de doutorado na USP prova que quem criou o cortiço no Brasil foram os italianos. É só vc pesquisar), a máfia, etc. Assim como os italianos, portugueses, espanhois, japoneses atravessaram mares movidos pela fome (tbém está na mesma TESE), e ajudaram a construir o Brasil, tbém os negros, OS ÚNICOS QUE NÃO QUERIAM VIR PARA A NOSSA PÁTRIA. Vc já viu tamanha ironia?

  • Lino

    PHA
    o número de cheques devolvidos é o menor desde 2005.

  • Felipe SP

    Cotas baseadas na cor da pele são um erro grave. Não é a cor da pele que faz os negros viverem menos, e sim a condição social. Criem uma cota para pobres de verdade e logo teremos uma ampla maioria de negros por ela beneficiados – e ninguém nesse mundo poderá dizer que se trata de uma medida racista.

    Tenho certeza de que se forem apresentados dados com base em nível social, encontraremos dados ainda mais graves em relação aos mais pobres. Se 73% eram escravos negros, apenas para dar um exemplo, ainda existiam outros 27% não negros que também viveram esse pesadelo. Mas não havia um único entre eles que não fosse pobre – por que não aplicar uma regra que beneficia 100%?

    Existem pobres de todas as raças e de todas as misturas de raças no Brasil. A ampla maioria é negra – e estatisticamente serão justamente eles os maiores beneficiados. Eu estudei em escola particular e, depois, em escola estadual em SP. Em ambas tinham negros, mas em proporções totalmente invertidas… cotas para negros beneficiarão majoritariamente os negros que menos precisam de ajuda (que são justamente aqueles que podem pagar – acreditem, isso também existe no Brasil).

  • fabio idalino

    para termos uma ídeia,até o número de brancos pobres é menor do que a população negra.Em recente pesquisa divulgada pela ONU,mostrou que entre os anos 79-2003,550 jovens morreram por arma de fogo dentre os quais 76,4% eram negros.Isso serve para chamar atenção que estamos diante de um exterminío.Vejam o que aconteceu recentemente em São Paulo.

  • Luciana

    O trabalho do Prof. Marcelo Paixão é indicador de que a democracia brasileira tem conflitos sociais de origem secular e histórica que a elite oligárquica desqualifica, para distorcer/mitigar a cruel realidade.
    O dever ser do direito como ciência social, tem que acabar com as injustiças apontadas pelo Prof. Paixão na origem.
    A “tolerancia” com a desigualdade a que está submetida a população negra e, destaco o trabalho escravo, analfabetismo, renda menor, tortura, falta de acesso à justiça, redução de expectativa de vida, violência policial, desrespeito à memória/história dos 350 anos de trabalho escravo, – o negro com sangue , suor e lágrimas é elemento construtor do Brasil – desrespeito dos meios de comunicação, moradias precárias, falta de acesso à saúde, exclusão do poder político, desrespeito ao direito de ter direitos, tais questões sociais submetem a população negra a um “campo de exclusão” em seu próprio país.População que paga impostos, vota periodicamente, não tem respeitada sua cidadania.
    Há problemas/violências que não podem ser tolerados se o país é a 8ª economia do mundo e empresta dinheiro a outros paises.

  • Urbano

    Há um nordestino que brada aos quatro ventos que sente orgulho de ser nordestino e, no entanto, está colocando todas as suas fichinhas em apoio ao zé burranha jerico, um anti-nordestino de carteirinha. Cretinice sem limites.

  • valdeci elias

    Quer dizer que um branco pobre miseravel, com filhos sub-nutridos, é so´ ir ao governo ou a igreja, alegar que não é negro, e não pode viver na miseria, pois o Brasil é racista ?
    Eu acho que não, aqui quem sofre é quem não tem dinheiro, não importando raça ou religião.

  • O professor Paixão se equivoca em dizer que os ricos são brancos,eu sou branco e não sou rico,melhor seria dizer que uma elite é branca,e que os negros e os brancos pobres são de uma mesma classe social e estão no mesmo barco, e devem lutarem juntos principalmente por uma melhor distribuição de renda.

  • Almerindo

    PH, um pouco fora do assunto:

    Serra defende privatizações do Governo FHC: http://www.brasiliaconfidencial.inf.br/?p=15768

  • Anderson

    Achei os indices interessantes e veridicos,porém achei tb o artigo um pouco debochado para um tema tão sério.

  • Pedro

    VIVA!!!

    Nossa democracia racial é tão justa. Tudo para os brancos, nada para os negros.

    PHA, uma coisa me chama a atenção no PSDB/DEM, porque esses caras acham que representam o Brasil, falam um monte de coisa em nome do povo e para o povo, sendo que não tem um representante negro em suas bancadas e altos escalões, como eles querem ser um partido nacional sem negros??????

Deixe seu comentário...

"O Conversa Afiada não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas ou que excedam 15 linhas."

  •