Cultura

Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2010 / 11 / 08 / Haddad: ENEM não será cancelado!

Haddad: ENEM não será cancelado!

Haddad explicou na entrevista que a gráfica assumiu a responsabilidade e refará o trabalho sem cobrar nada do Governo
publicado 08/11/2010
Comments

O PiG (*) tenta o Golpe de Estado da Educação.

O PiG (*) está em pânico diante da bem sucedida batalha de que o Ministro Fernando Haddad desfechou para derrubar a senzala.

Numa serena entrevista coletiva Haddad anunciou que confia 100% na qualidade técnica do exame e que não há a menor possibilidade de cancelá-lo.

As provas foram 99,7% corretas num universo impressionante de 4,6 milhões de alunos que pretendem entrar em universidades públicas.

Em grande parte, pobres, nordestinos e negros.

Que horror !

Haddad explicou na entrevista que a gráfica assumiu a responsabilidade e refará o trabalho sem cobrar nada do Governo.

Haddad disse que, até o momento, o número de prejudicados inicialmente previstos – 1.800 – deve ser até menor.

Um repórter mencionou que se dizia que a culpa era de um funcionário do Inep.

Haddad lembrou que no ENEM de 2009 o PiG (*) também disse que a culpa também era de um funcionário do Inep.

Depois, a investigação da Polícia Federal revelou que o vazamento tinha ocorrido dentro da gráfica da Folha de São Paulo.

Deve ser por isso que o UOL e a Folha odeiam tanto o ENEM.

O ENEM tornou-se o terceiro turno da eleição presidencial.

José Serra tomou uma surra – 56% a 44% - e a elite branca quer refazer o resultado e impedir a ascensão social dos pobres.

A Casa Grande sente o rufar dos tambores que vem da senzala.

Viva o Brasil !

Clique aqui para ler: “Haddad enfrenta a batalha do ENEM em defesa dos pobres".

Clique aqui para ler “O PiG e o Serra odeiam o ENEM por causa dos pobres”.

 

Paulo Henrique Amorim

 

(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.