Política

Você está aqui: Página Inicial / Política / Paulista: vaias para Aécio e Alckmin

Paulista: vaias para Aécio e Alckmin

Corruptos, cadê a minha merenda?
publicado 13/03/2016


Geraldo Alckmin e Aécio Neves chegam para ato... por thevideos11

No R7:

Alckmin e Aécio chegam à Paulista sob vaias e gritos de “corruptos”

Enquanto manifestantes gritavam “ladrão de merenda”, apoiadores usavam buzinas

O governador Geraldo Alckmin e o senador Aécio Neves, ambos do PSDB, foram vaiados na chegada à avenida Paulista neste domingo (13). Enquanto os manifestantes gritavam “ladrão de merenda” e “corruptos”, apoiadores dos políticos usavam buzinas para abafar os protestos.

Mais cedo, Alckmin recebeu, na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes, uma comitiva formada por senadores e deputados da oposição. Em entrevista coletiva concedida na sede do executivo paulista, Alckmin falou que "é preciso virar a página".

— Precisamos virar essa página. Precisamos de uma solução rápida para retomar o crescimento.

Em tempo: no Esmael Morais:

Tucanos vão de camburão à manifestação pelo golpe contra Dilma



tucanos_camburaoChamou a atenção neste domingo (13) a chegada de tucanos e assemelhados dentro de um camburão na manifestação da Avenida Paulista, em São Paulo, pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Dentro do caveirão estão, na linha de frente, os senadores Aécio Neves e Aloysio Nunes, o governador paulistano Geraldo Alckmin e o deputado Paulinho da Força.

O governador Beto Richa não aparece na fotografia porque, segundo Garganta Profunda de Londrina, ele estava pilotando o camburão.

A primeira vez que o polêmico camburão foi utilizado na política foi em 12 de abril de 2015, em Curitiba, quando deputado estaduais da base de Richa foram transportados para a Assembleia Legislativa do Paraná. O objetivo era driblar o povo para confiscar a poupança previdenciária de servidores públicos, evento que precedeu ao massacro de 29 de abril do ano passado.

O velho Marx dizia que a história se repete a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa.

Em tempo2: ainda na manifestação em São Paulo: