Política

Você está aqui: Página Inicial / Política / 2012 / 11 / 07 / Com Obama, Golpe aqui fica mais difícil

Com Obama, Golpe aqui fica mais difícil

Com o Romney seria mais fácil. Era só fabricar um, dois, tres, mil Marcos Valério e invadir o Supremo. A Quinta Frota desembarcava em Santos com o Cerra, FHC e os tucanos no cordão de boas-vindas.
publicado 07/11/2012

A Democracia brasileira, ou melhor, a PiGocracia (*) em que vivemos se fortaleceu com a vitória de Obama.

Um Golpe aqui com o Romney lá teria mais força do que um Golpe com Obama.

Não que o Obama e sua Ministra do exterior, Hillary Clinton, tenham as mãos limpas na América Latina.

Eles aplicaram a mão de gato nos Golpes de Honduras e do Paraguai.

(Que tiveram o necessário aval dos Supremos.)

Tentam construir uma Guantánamo no Paraguai.

E ressuscitaram a Quinta Frota, para operar entre o Brasil e a Africa Ocidental.

(Brasil é o maior país atlântico e tem interesses estratégicos inelutáveis na África, como percebeu, antes de ninguém, o Nunca Dantes – clique aqui para ler Clara Ant, no Instituto Lula.)

Mas, a alternativa era pior.

Romney é um intervencionista furioso e, como observa o Paulo Moreira Leite, ao tratar deste conservador de jardim zoológico, Romney era só o que faltava para o Netanyahu invadir o Irã e jogar o mundo numa guerra mundial (atômica).

(Sobre isso, ler sobre as armas da eleição americana, de Mauro Santayana.)

Se os Golpistas da PiGocracia brasileira conseguissem derrubar a Dilma no Supremo – onde já contam com sólida bancada - Romney mandava os Marines empossar o Ataulfo Merval de Paiva no trono de Presidente Vitalício do Supremo, por seu “notável saber jurídico”, agora demonstrado quando julgou no Globo e na GloboNews o mensalão (o do PT).

O Brasil não é Honduras, não é o Paraguai.

Embora seja essa vergonhosa PiGocracia administrada pelo Supremo e debaixo da pusilanimidade do Legislativo.

Mas, ainda assim, um Golpe exigiria, como exigiu em 1964, mais do que uma mão de gato.

A real-politik da Secretária Clinton, percebe que o Brasil é um bicho muito grande para os Estados Unidos embarcarem num Golpe que possa dar com os burros n'água.

Hoje, certamente há mais Brizolas, no Governo, do que havia em 1961 e 64.

Assim como há mais contas a ajustar.

(O amigo navegante há de ter lido sobre o ajuste de contas que se realizou na Itália e na França, assim que caíram os regimes totalitários, em 1945.)

E tem esse formidável mecanismo de aglutinação e mobilização, a blogosfera, que os Conservadores de jardim zoológico tentam desesperadamente calar – inclusive com a manipulação da Justiça.

Clique aqui para ler sobre os “Juízes que absolvem Dantas”.

Agora, a Copersucar compra a Eco-Energy.

A Boeing quer vender os caças à Eliane Catanhêde.

O Brasil, a Venezuela e Argentina uniram suas Forças Armadas na Unasul.

Ficou mais difícil.

Com o Romney seria mais fácil.

Era só fabricar um, dois, tres, mil Marcos Valério e invadir o Supremo.

A Quinta Frota desembarcava em Santos com o Cerra, FHC e os tucanos no cordão de boas-vindas.

Ao lado do Frei, tucano chileno, muito católico, amigo do Padre Marcelo Rossi, que ajudou a derrubar o Allende.

(Os tucanos de São Paulo conhecem bem essa história, a de tucanos que dão Golpe.)

Obama e Hillary, aparentemente, tem um senso de ridículo mais apurado.


Paulo Henrique Amorim


(*) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.