PIG

Você está aqui: Página Inicial / PIG / 2011 / 12 / 11 / Privataria: Cerra e o PiG fazem o pacto da morte

Privataria: Cerra e o PiG fazem o pacto da morte

A Folha, o Globo e o Estadão não publicam mísera linha sobre a “Privataria Tucana”.
publicado 11/12/2011

A Folha (*), o Globo e o Estadão não publicam neste domingo mísera linha sobre a “Privataria Tucana”, que pode levar o Fernando Henrique, o Dantas (de novo) e o Cerra à cadeia.

Sem falar no elenco secundário: Ricardo Sergio de Oliveira, o “Mr. Big”; Carlos Jereissati (e seu sócio Sergio Andrade, da Andrade Gutierrez), que briberizou o Ricardo Sergio para ficar com a Telemar e fazer a BrOi; a filha e o genro do Cerra; a irmã do Dantas; o Preciado; o Rioli.

Basta o Zé (veja aqui o carinho e afeição que  os amigos do banqueiro condenado dedicam ao Ministro da Justiça) Cardozo e o brindeiro Gurgel botarem sebo nas canelas: leia por onde eles devem começar.

Em algum recanto de Palermo ou num bairro na periferia de Nápoles, o Serra, o Otavinho e os filhos do Roberto Marinho (eles não tem nome próprio) possivelmente se encontraram na sexta-feira à noite.

É apenas uma conjectura, amigo navegante.

Este ansioso blogueiro não estava lá para ver.

Nesse hipotético encontro, cortaram os punhos com um punhal de aço especial da CSN (devidamente briberizada) e se acertaram em sangue.

Morremos juntos e em silêncio.

Note-se que o Robert(o) Civita não precisaria estar, fisicamente, nessa celebração litúrgica.

Como nos bons tempos pré-internet, os tucanos de São Paulo controlavam o Brasil com três telefonemas: ao “seu” Frias, o Rui  Mesquita e o Dr Roberto.

Como sempre, o Robert(o) Civita, do new money, vinha no bolo, por extensão.

Não era preciso perder tempo com ele.

Nem é.

Só que agora, é um pouco diferente.

Agora tem internet.

E um tal de Emediato, editor do Amaury, que enfrentou o Diabo, mas botou o livro nas livrarias.

(Quando elas ousam exibi-lo.)

Como previu o Marco Aurélio Garcia, ao se referir àquilo que o Ciro chamou de “calhordice”, o Serra terá um “fim melancólico”.

O Cerra e o PiG, juntos.

Na Satiagraha, o Macabu disse que o cara da ABIN não podia ficar no Google para ajudar o Protógenes a achar endereços.

No Castelo de Areia, disseram que a denuncia anônima que serve para denunciar pedófilo e o Nem não serve para prender rico.

(Um dia, a dra. Calmon faz uma visitinha ao STJ. Se o Presidente Peluso não fechar, antes, o CNJ.)

E, agora, com  o livro do Amaury ?

Não tem por onde pegar.

Os documentos estão lá.

A lavação de grana na privataria tá toda lá.

Só com o pacto do silêncio no PiG (**).

E na morte.

Em tempo: o ansioso blogueiro ligou para o Mino Carta e observou que o PiG (**) não dedica mísera linha à Carta Capital ou ao livro do Amaury. “Há muito tempo não compro um único exemplar da mídia nativa”, disse ele, com enfado. E avisou que concluiu o romance que trata do “Brasil”: “sou ácido, de cabo a rabo”, disse ele. O livro do Mino sobre o “Brasil” não merecerá mísera linha no PiG.


Paulo Henrique Amorim


(*) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que matou o Tuma e depois o ressuscitou; e que é o que é,  porque o dono é o que é; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.

(**) Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.