Brasil

Você está aqui: Página Inicial / Brasil / Odebrecht: Suíça algema Moro

Odebrecht: Suíça algema Moro

E o Marcelo fica em cana, com o Dirceu?
publicado 02/02/2016
zumira.jpg

Na Fel-lha:

Corte suíça considera irregular envio ao Brasil de provas contra Odebrecht

O Tribunal Penal Federal, sediado em Belinzona (Suíça), considerou irregular a transferência para o Brasil de provas contra offshores atribuídas à Odebrecht, acusadas de canalizar o pagamento de propina para ex-dirigentes da Petrobras no exterior.

São quatro decisões entre 19 e 22 de janeiro sobre as offshores Smith & Nash, Golac, Sherkson e Havinsur -empresas sediadas em paraísos fiscais e que operavam contas bancárias na Suíça por onde teria passado suborno da empreiteira brasileira para os ex-diretores Paulo Roberto Costa, Renato Duque e o ex-gerente Pedro Barusco. Estas empresas realizaram pagamentos de US$ 168 milhões entre dezembro de 2006 a junho de 2014 –dos quais US$ 16 milhões foram parar nas contas secretas dos diretores da Petrobras.

Em decisão de 21 de janeiro, a Câmara de Apelação da corte (composta por quatro magistrados) acolheu recurso dos advogados da Havinsur centrado não no mérito da acusação –um repasse de US$ 565 mil para a conta Milzart, de Renato Duque, em 23 de março de 2010–, mas em aspectos formais.

O tribunal entendeu que os procuradores suíços erraram ao enviar em 2015 um pedido de informações ao Brasil referente a uma investigação aberta na capital do país, Berna. A apuração trata de suspeita do uso do sistema bancário suíço pela Odebrecht para pagar suborno.

O erro procedimental, segundo o tribunal federal, foi enviar ao Brasil extratos bancários completos das contas ao fazer essa comunicação.

Para a corte, a quantidade de informações enviada pelos suíços aos investigadores brasileiros foi "desproporcional" –a prática foi classificada pelo tribunal como "entraîde sauvage" (colaboração selvagem, em tradução livre).

(...)